Geral

Morre mãe do deputado Pedro Kemp; deputado diz que ela era a “mais santa”

Aos 87 anos, Maria Kemp Gonçalves, mãe do deputado Pedro Kemp (PT), morreu nesta manhã, vítima de uma infecção generalizada. Ela estava internada havia 13 dias, no Hospital El Kadri, em Campo Grande, tratando de uma pneumonia. Maria estava no Centro de Terapia Intensiva (CTI). Natural de Boa Vista (SP), Maria Kemp Gonçalves teve cinco […]

Arquivo Publicado em 28/01/2014, às 14h11

None

Aos 87 anos, Maria Kemp Gonçalves, mãe do deputado Pedro Kemp (PT), morreu nesta manhã, vítima de uma infecção generalizada. Ela estava internada havia 13 dias, no Hospital El Kadri, em Campo Grande, tratando de uma pneumonia.

Maria estava no Centro de Terapia Intensiva (CTI). Natural de Boa Vista (SP), Maria Kemp Gonçalves teve cinco filhos.

O velório será a partir das 13 horas no Cemitério Jardim das Palmeiras, ao lado da UCDB.

Kemp já havia perdido o pai, Pedro Gonçalves, no ano passado.

Homenagem – Emocionado, o deputado Pedro Kemp (PT) prestou uma homenagem à mãe por meio do Facebook. No texto, ele diz que Deus escolheu para si “a mais perfeita, a mais santa, a mais madura, a melhor de todos nós, a mais próxima d’Ele”.

Kemp afirmou que nos últimos dias Deus exigiu da família dele “um tributo de amor, de fé e de penhorado agradecimento”. “Deus não a tirou de nós, mas a deixou ainda mais entre nós. Deus não levou nossa Mãe só para si, mas a deixou ainda mais para nós. Ele não arrancou nossa Mãe da alegria de nosso convívio, mas a plantou mais fundo na memória de todos nós”, escreveu.

Veja a mensagem na íntegra:

Nesses últimos dias, Deus exigiu de nós um tributo de amor, de fé e de penhorado agradecimento. Ele desceu no seio de nossa família, olhou-nos um a um e escolheu para si a mais perfeita, a mais santa, a mais madura, a melhor de todos nós, a mais próxima d’Ele, a nossa querida Mãe.

Deus não a tirou de nós, mas a deixou ainda mais entre nós. Deus não levou nossa Mãe só para si, mas a deixou ainda mais para nós. Ele não arrancou nossa Mãe da alegria de nosso convívio, mas a plantou mais fundo na memória de todos nós. Deus não furtou nossa Mãe da nossa presença, mas a tornou mais presente pulsando em nossos corações. Ele não a levou, mas a deixou mais Mãe ainda, para que estivesse presente hoje e sempre no meio de nós.

Nossos avós não poderiam ter-lhe dado outro nome mais belo e significativo do que o seu, Maria, como o da Mãe de Jesus. E, como a Virgem de Nazaré, foi sempre humilde (apenas um pouquinho vaidosa), amável, servidora, temente a Deus. Era feliz, principalmente quando rodeada pelos filhos, netos e bisnetos. Gostava de passear, de fazer e receber visitas. Nos afazeres da casa, cada prato de comida ou cada roupa nossa que costurava, era uma verdadeira declaração de amor a nós. Ultimamente, bordava seus tapetes pacientemente em ponto-cruz. Cada cruz bordada, uma pequena bênção dispensada. Ensinou-nos os caminhos da igreja, da escola e do trabalho. Seu mundo éramos nós, sua felicidade era ver-nos felizes, seu sonho era realizar nossos sonhos. Sua vida foi só doação, bondade, ternura, simplicidade, alegria de viver e devoção a Deus.

Mãe, o Senhor nosso Deus te criou, tão bonita e carinhosa. Hoje, dia da tua ressurreição, Ele te acolhe de novo para a eternidade. Tua alegria não terá mais fim. O que desejavas para nós, saúde, paz, alegria, peça agora a Deus, que está tão pertinho de ti. Não te preocupes mais conosco, o que nos ensinaste é o suficiente para a gente continuar e ficar bem.

Senhor nosso Deus, Pai cheio de amor, cuida bem da nossa Mãe. Maria, Mãe de Jesus, minha Mãe pode agora bordar o seu manto azul e branco. E vocês, juntas, poderão interceder por nós. Nosso coração, um pouco apertado, só pode dizer: obrigado Mãe, muito obrigado. A ti, que sempre nos abençoaste, te dizemos: Deus te abençoe.

Jornal Midiamax