Geral

Moradores do Jardim Canguru reclamam de falta de água até para tomar banho

Moradores do Jardim Canguru, na região sul de Campo Grande, reclamam de falta de água até mesmo para beber e tomar banho. A Águas de Guariroba, empresa responsável pelo abastecimento, informou que o problema já foi resolvido e que até o início da tarde desta quinta-feira (18) todas as casas do bairro estarão com o fornecimento […]

Arquivo Publicado em 18/09/2014, às 12h47

None

Moradores do Jardim Canguru, na região sul de Campo Grande, reclamam de falta de água até mesmo para beber e tomar banho. A Águas de Guariroba, empresa responsável pelo abastecimento, informou que o problema já foi resolvido e que até o início da tarde desta quinta-feira (18) todas as casas do bairro estarão com o fornecimento normalizado.

De acordo com a diarista Carmem Andrea Soares, a falta de água começou na noite da última terça-feira (16). A mãe dela, Maria Auxiliadora, precisou buscar água no bairro vizinho com um balde. “Minha mãe já tem idade e ficou com dor nas costas e na perna. Além disso, ela teve que comprar água para fazer janta e para beber”, relata.

Já para o motorista Sérgio de Oliveira a solução é improvisar. Ele afirma que precisa ir às casas dos parentes para tomar banho, contudo, conforme o horário, toma banho em sua casa, usando uma caneca mesmo.

Sérgio diz que já telefonou para a Águas de Guariroba e informaram que o problema estaria resolvido na madrugada desta quinta-feira (18), porém, o bairro continua sem água. “Liguei lá para reclamar, mas não teve jeito, continuamos sem água. Gostaria de saber o motivo”, ressalta.

Por sua vez, a Águas de Guariroba, explicou que houve um problema na bomba que faz a captação subterrânea da água, contudo, esse equipamento já foi substituído na madrugada desta quinta-feira. A água só deve chegar a todas as casas do bairro no início da tarde, pois esse processo demora algumas horas até que todo o encanamento seja preenchido.

Enquanto isso, a empresa informou que um caminhão pipa está atendendo os casos prioritários, como escolas e creches.

Jornal Midiamax