Geral

Ministério Público investiga falta de alimentos para merenda em Ceinf

O Ministério Público do Estado (MPE) vai investigar a falta de alimentos no Centro de Educação Infantil (Ceinf). O Procedimento Preparatório nº 74/2013 foi publicado no Diário Oficial de 6 de março, divulgado antecipadamente. Conforme o requerimento, o MPE vai “apurar eventual irregularidade no Centro de Educação Infantil – CEINF, em virtude da insuficiência de […]

Arquivo Publicado em 04/03/2014, às 16h35

None

O Ministério Público do Estado (MPE) vai investigar a falta de alimentos no Centro de Educação Infantil (Ceinf). O Procedimento Preparatório nº 74/2013 foi publicado no Diário Oficial de 6 de março, divulgado antecipadamente.


Conforme o requerimento, o MPE vai “apurar eventual irregularidade no Centro de Educação Infantil – CEINF, em virtude da insuficiência de alimentos recebidos para merenda dos alunos”.


O procedimento será apurado pela 30ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social da comarca de Campo Grande.


Merenda


A Prefeitura de Campo Grande contratou a empresa Salute – Distribuidora de Alimentos Ltda. por R$ 4,3 milhões para fornecer alimentos para os Ceinfs. O contrato foi firmado dois meses depois da criação da empresa pelo prefeito sem processo licitatório no dia 21 de junho.


Depois disso, no dia 18 de outubro do ano passado, a prefeitura publicou no Diário Oficial de Campo Grande (Diogrande) extratos de contratação a seis empresas diferentes para fornecimento de merenda nos ao custo total de R$ 6.577.938,24 por 12 meses.


Segundo a publicação, as empresas Industria e Comercio de Alimentos Ferreira Ltda, Ignácio e Lopes Ltda, Peixoto Comércio Importação Exportação Ltda, Tavares & Soares LTDA – EPP, Nutrir Alimentos Ltda e MIT Indústria e Comércio de Carnes e Embutidos Ltda foram as vencedoras do pregão.


Elas receberão, respectivamente, R$ 1.424.494,08, R$ 1.086.300,00, R$ 416.170,00, R$ 433.469,60, R$ 1.761.702,96 e R$ 1.455.801,60 pela contratação. O dinheiro empenhado foi proveniente do Tesouro e do Ministério da Educação.

Jornal Midiamax