Geral

Mercado de roupas para gordinhas atrai grandes marcas e sofisticação

A atriz global Mariana Xavier, de 33 anos, do alto dos seus 83 quilos, fala em evolução gritante quando se trata de moda plus size no Brasil nos últimos cinco anos. “Quem engordava parecia que imediatamente ficava velha ou tinha que sair vestida de sofá, cortina ou toalha de mesa. Era tudo estampado e careta”, […]

Arquivo Publicado em 23/02/2014, às 13h01

None

A atriz global Mariana Xavier, de 33 anos, do alto dos seus 83 quilos, fala em evolução gritante quando se trata de moda plus size no Brasil nos últimos cinco anos. “Quem engordava parecia que imediatamente ficava velha ou tinha que sair vestida de sofá, cortina ou toalha de mesa. Era tudo estampado e careta”, define.


Mariana desfilou no primeiro desfile especializado em tamanhos grandes, em 2010. “As marcas começaram a perceber que não é porque estava acima do peso que a pessoa queria ficar de fora das tendências de moda. É possível se arrumar fora do padrão 38, Se sentir bonita, ter estilo”.


Entre as marcas que estão de olho no segmento, está a Malwee, que tem a coleção “Grandes Abraços” e irá lançar uma marca própria para o segmento plus size em junho; a Duloren, primeira marca de lingerie a apostar em tamanhos grandes, e que foi seguida pela Valfrance, com o logo “Gostosa demais para usar 38”. Hoje, os tamanhos grandes correspondem a 50% do faturamento da Duloren.


Grandes lojas de departamento, como C&A e Renner, já oferecem coleções plus size.


Seguindo o corpo da brasileira


O que impulsionou as marcas a oferecer as coleções foi a transformação do corpo da brasileira nos últimos 20 anos. “O ideal de beleza deixou de ser um corpo magro e se tornou um corpo com curvas”, diz a C&A, em nota.


Além disso, 51% da população brasileira com mais de 18 anos está acima do peso ideal, sendo que, entre as mulheres, o número é de 48%.


Diante de insatisfação de consumidoras, a Duloren entrou no segmento plus size em 2011, quando os tamanhos grandes não passavam de 10% do negócio. Após campanhas ousadas, que incentivavam a autoconfiança e exibiam modelos acima do peso, o negócio atinge hoje 50% do faturamento da marca, conta a gerente de marketing da marca, Denise Areal.


“Havia uma carência muito grande. Hoje vendemos mais tamanho G do que P”, comenta. “Os produtos continuam sendo corretivos, modelam e valorizam a forma. Mas nas cores e estilo que elas querem”.


Além de trazer mais rentabilidade para a marca, já que o preço dos produtos com modelagem especial chega a custar o dobro dos tradicionais, Denise aponta que a consumidora é fiel. Após o sucesso, a marca passou a agregar um modelo plus size na maioria de suas marcas.


A estratégia bem sucedida não apenas atinge consumidoras acima do peso, mas também aquelas com mais curvas. São 50 modelos especiais em tamanhos grandes.


A Malwee participou do Fashion Weekend Plus Size em São Paulo em 2013 e vem realizando pesquisas com consumidoras deste perfil e também sobre marcas especializadas na Europa e nos Estados Unidos para entrar de vez no segmento, com uma nova marca.


“O consumidor plus size está cada dia mais buscando produtos modernos, alinhados às tendências da moda mundial e que falem a linguagem da moda jovem contemporânea”, diz a empresa, em nota.


Na C&A, a primeira coleção plus size, chamada “Special for You”, foi criada em 2011 e, todo mês, uma mini coleção já é oferecida nas lojas nos tamanhos 46 a 56. O caminho não está livre de gafes, como a campanha lançada com a cantora Preta Gil no ano passado. A rede de departamentos foi criticada por ter modelado a modelo artificialmente em fotos da campanha.


Empreendedores usam comércio eletrônico


O segmento também abre caminho para o empreendedorismo. A blogueira e empresária do segmento Renata Poskus, que organiza os desfiles anuais plus size, realizado neste final de semana em São Paulo, já tem uma loja virtual que leva o nome do seu blog, o Mulherão.


Isso porque, enquanto os grandes centros ampliam a oferta de tamanhos grandes, o interior dos Estados ainda fica para trás. A alternativa para as gordinhas destes locais acaba sendo o comércio eletrônico. “Do que vendo, 80% é para consumidora do interior de Estados, como Minas Gerais e Rio”. No segundo semestre, a ideia é abrir uma loja física em São Paulo.


Levantamento feito por Mariana encontrou cerca de 200 confecções especializadas no País, e 50 lojas virtuais, que vendem desde lingerie erótica até pijamas.


Mercado ainda engatinha diante de custos


O mercado de moda plus size evolui, mas a passos lentos. O crescimento anual do segmento corresponde à metade da evolução da moda feminina, respectivamente 3% e 6%, segundo dados da Associação Brasileira do Vestuário (Abravest).


O segmento ainda pode ser considerado um nicho, ainda que atenda cerca de metade da população do País – 51% dos brasileiros acima de 18 anos estão com sobrepeso, segundo o Ministério da Saúde.


De acordo com levantamento da Abravest, o segmento plus size já representa cerca de 3% da moda feminina. Enquanto a produção de peças de roupas para mulheres no País soma 3,02 bilhões, a moda para gordinhas chega a 1 milhão de itens.

Jornal Midiamax