Geral

Linzmeyer diz que pedido de socorro de Linda em “Amor” foi “arrebatador”

No papel da autista Linda em “Amor à Vida”, Bruna Linzmeyer protagonizou uma cena comovente no capítulo da última quinta-feira (23), na qual a jovem pediu socorro à família e disse ter se sentido presa por toda a vida. Para a atriz, a cena retrata um momento “arrebatador”. “A cena é linda, é muito linda. […]

Arquivo Publicado em 24/01/2014, às 12h33

None

No papel da autista Linda em “Amor à Vida”, Bruna Linzmeyer protagonizou uma cena comovente no capítulo da última quinta-feira (23), na qual a jovem pediu socorro à família e disse ter se sentido presa por toda a vida.


Para a atriz, a cena retrata um momento “arrebatador”. “A cena é linda, é muito linda. Às vezes, um autista e sua família podem nunca ter um momento como esse, mas em muitos outros casos ele existe. E trata-se de um momento muito arrebatador, porque ninguém espera”, afirmou ela em entrevista ao site oficial da trama, acrescentando que Linda vivenciará só perceberá depois os efeitos de seu pedido: “Ela só percebe a potência daquela cena no dia a dia que acontece depois”.


Bruna destacou que grande parte da comoção gerada pela cena vem do fato de Linda não ser um “personagem verbal”. “A Linda não é um personagem verbal, não sabe o que o verbo significa, ele não a satisfaz. O verbo é só mais uma coisa na vida, só mais uma maneira de ser. É preciso muito aprendizado com terapias, fonoaudiologia e psicologia para que um autista chegue a esse estágio verbal. Então, é muito bonito, principalmente para as pessoas não autistas, porque eles são seres verbais, precisam de palavras para se comunicar”.


A atriz elogiou o texto que o autor da novela, Walcyr Carrasco, preparou para a cena. “Sua construção foi muito boa por não ser exatamente linear”, avaliou. “O pensamento de uma pessoa não autista é linear, diferente de como acontece com a Linda. O pensamento dela é entrecortado. Além disso, o texto é recheado de referências, e o trabalho é feito a partir de histórias que já existem. A Linda existe porque os autistas existem, e porque eles precisam que a Linda exista também. Foi um texto cheio de história”.


Bruna contou ainda que, ao logo da trama, quis mostrar que Linda tinha muita consciência do mundo ao seu redor. “Linda sabe de tudo, muito mais que todo mundo. E essa vida interna existe desde a primeira faísca de existência da personagem. Desde as primeiras cenas, eu procurava olhar para as coisas com o olhar de quem vê, de quem sabe. E é tão bonito chegar ao final da novela e perceber que houve conexão com o autor, porque ele faz a Linda dizer exatamente isso: ‘Eu ouvia vocês’. E isso significa ‘eu entendia, eu sabia, eu sei'”.


Tendo se preparado intensamente para dar vida à Linda, Bruna ainda não sabe exatamente como a personagem a afetou. “A Linda me afetou muito, de muitas maneiras. Ela mudou meu olhar, meu ritmo, meu tempo, mudou muita coisa. Eu não tenho a dimensão do quanto ainda, mas espero que isso ainda reverbere por algum tempo em mim”, disse ela, que levará de lembrança das gravações um dos quadros de Linda.

Desabafo


Após reencontrar Rafael (Rainer Cadete), Linda (Bruna Linzmeyer) conseguiy expressar em palavras o que carrega dentro de si durante anos: “Socorro!”. A família se reuniu em torno de Linda, que disse tudo o que sente de uma só vez. “Vocês não sabem o que eu sou. A vida toda. Presa. Presa dentro do meu corpo. Presa. É como se tivesse uma parede, parede de vidro entre eu e vocês. Parede de vidro. Vidro. Eu ouvia vocês, mas as vozes não entravam dentro de mim, o sentido das coisas não entrava. O Rafael veio. Quebrou a parede. O Rafael estendeu a mão lá
no fundo. E me puxou para cá. Para fora. Socorro, Rafael. Não vai embora outra vez. Socorro. Não deixem o Rafael ir embora de novo. Não quero ficar presa dentro de mim”, desabafou a jovem.

Jornal Midiamax