Geral

Líder da Al-Qaeda no Líbano morre na prisão

O líder da Al-Qaeda no Líbano, Majid al-Majid, morreu neste sábado, segundo informações do Exército libanês. Al-Majid estava preso e teria morrido de falência renal em um hospital militar. O saudita, que liderava desde 2012 as Brigadas Abdullah Azzam, ligadas à Al-Qaeda, estava na lista dos terroristas mais procurados da Arábia Saudita e havia sido […]

Arquivo Publicado em 04/01/2014, às 14h28

None

O líder da Al-Qaeda no Líbano, Majid al-Majid, morreu neste sábado, segundo informações do Exército libanês.


Al-Majid estava preso e teria morrido de falência renal em um hospital militar.


O saudita, que liderava desde 2012 as Brigadas Abdullah Azzam, ligadas à Al-Qaeda, estava na lista dos terroristas mais procurados da Arábia Saudita e havia sido detido no Líbano recentemente.


O grupo esteve por trás de ataques em várias partes do Oriente Médio, entre os quais um atentado a bomba contra a embaixada iraniana em novembro, em Beirute, que matou 23 pessoas.


Segundo um comunicado do Exército, o comandante da Al-Qaeda teria entrado em coma em decorrência do problema nos rins.


Linha dura


O ministro da Defesa libanês, Fayez Ghosn, havia confirmado a prisão de Al-Majid e informado que ele estaria sendo interrogado em um local secreto. Ele se recusou a dizer quando e aonde a prisão ocorreu.


No entanto, uma fonte ligada às forças de segurança do Líbano disse à agência Reuters que Al-Majid teria sido capturado com outro militante saudita e que estaria vivendo na cidade de Sidon, no sul do país.


Com base no Líbano e na Península Arábica, as Brigadas Abdullah Azzam levam o nome de um palestino jihadista que recrutou mujahideen para a luta contra os soviéticos no Afeganistão nos anos 80.


O grupo atraía militantes islâmicos linha dura que ainda lutaram no Iraque e teria se estabelecido no campo de refugiados palestinos de Ein el-Hilweh, perto de Sidon.


O ataque de novembro contra a embaixada do Irã teria sido o primeiro grande ataque das brigadas.


O Irã e o grupo militante libanês Hezbollah são aliados ao presidente sírio, Bashar al-Assad.


E segundo relatos da imprensa local, Majid al-Majid estaria ligado ao líder da frente al-Nusra Front, uma afiliada da al-Qaeda que busca derrubar Assad do poder.


A Síria está mergulhada em uma guerra civil desde 2011.


Após o ataque à embaixada do Irã, um clérigo salafista próximo às brigadas disse que outros atentados seriam realizados no Líbano até que o Hezbollah pare de lutar junto ao governo sírio.


Na quinta-feira, a explosão de um carro bomba em Beirute matou cinco pessoas, entre elas a brasileira Malak Zahwe, de 17 anos. A jovem, nascida em de Foz do Iguaçu, morava no Líbano com o pai e a madrasta, que também morreu no ataque, há três anos.

Jornal Midiamax