Geral

Juliana Paes é a maior “isca” para vírus no Brasil

Vídeos íntimos, fotos nuas e escândalos de celebridades atraem internautas para clicarem em sites falsos e baixarem arquivos maliciosos que podem prejudicar o computador e roubar dados pessoais. Segundo especialistas, os cibercriminosos se aproveitam da curiosidade dos usuários, que acabam ignorando os riscos à segurança. O leque de celebridades que escondem ameaças virtuais é m...

Arquivo Publicado em 15/02/2014, às 12h36

None

Vídeos íntimos, fotos nuas e escândalos de celebridades atraem internautas para clicarem em sites falsos e baixarem arquivos maliciosos que podem prejudicar o computador e roubar dados pessoais. Segundo especialistas, os cibercriminosos se aproveitam da curiosidade dos usuários, que acabam ignorando os riscos à segurança.

O leque de celebridades que escondem ameaças virtuais é muito amplo. Recentemente, nomes como Neymar, Bruna Marquezine, Rihanna e Justin Bieber foram usados para espalhar malwares pela Internet. A McAfee realiza anualmente um levantamento dos nomes de famosos que mais são utilizados como iscas para crimes na web.

Em 2012 e 2013, a empresa constatou que a maioria das celebridades mais “perigosas” da internet são mulheres. Na pesquisa mundial, nomes como Lily Collins, Sandra Bullock, Katy Perry e Zoe Saldana estavam entre os dez mais perigosos.

“Toda manchete, toda reportagem que chama a atenção, como relacionamentos e comportamentos de celebridades, personalidades presas ou envolvidas em algum escândalo, são sempre temas muito fortes para a criação de ameaças”, diz Nelson Barbosa, especialista de segurança da Symantec. “Eventos como Copa do Mundo, Olimpíada, acidentes aéreos e reality shows também são momentos em que ameaças acontecem mais”, alerta José Matias Neto, diretor da McAfee para a América Latina.

Geralmente, a procura pelo nome da celebridade mais alguns termos específicos, como “fotos nuas” ou “download de app grátis”, levam aos sites com mais riscos à segurança. As celebridades usadas como iscas variam com a moda e os acontecimentos, e os cibercriminosos estão sempre atentos às novidades. “Muitas pessoas já estão mais conscientes, mas do outro lado, os atacantes criam coisas novas o tempo inteiro”, alerta Matias Neto.

Jornal Midiamax