Geral

Instituto cristão adere à grafitagem para evitar pichações

Quem passou pela tarde desta terça-feira (8) pela Rua 25 de Dezembro foi surpreendido com onças, tuiuiús, araras, tucanos e por do sol em meio às imagens sacras. O pantanal lado a lado de Nossa Senhora, São José e outras figuras católicas estampam a partir de agora o muro do Instituto Missionário São José. A […]

Arquivo Publicado em 08/04/2014, às 19h23

None
550773400.jpg

Quem passou pela tarde desta terça-feira (8) pela Rua 25 de Dezembro foi surpreendido com onças, tuiuiús, araras, tucanos e por do sol em meio às imagens sacras. O pantanal lado a lado de Nossa Senhora, São José e outras figuras católicas estampam a partir de agora o muro do Instituto Missionário São José. A ideia faz parte de um projeto desenvolvido pela direção do instituto para evitar pichações.

Os artista vieram diretamente de Corumbá retratar o cotidiano pantaneiro. Jamil Canavarros, de 51 anos, artista plástico, é pupilo de um dos maiores artista da região – Jorapimo. Assim como o mestre, sua obra mostra a beleza pantaneira.

Enquanto pinta o por do sol sobre a ponte no rio Paraguai, Jamil revela que foi convidado pela diretora do Instituto Missionário, Dilma Canavarros, para desenvolver um projeto que envolvesse a arte para evitar que o muro continuasse pichado.

A ideia, ela diz que não é nova, e em várias creches, residências e no Colégio Dom Bosco, de Corumbá, desenvolveram projeto semelhante. “O objetivo é trazer arte para as pessoas e fazer essa conscientização. Mostrar que podemos colorir a cidade e deixar tudo mais bonito”, conta.

A exposição a céu aberto ainda conta com as pinceladas de Helker Ernani, 32 anos, grafiteiro. Ele conta que a técnica que está usando no instituto se chama ‘muralismo’ e não vai spray, como no grafite clássico.

Helker que é arte-educador e atua em vários projetos em Corumbá diz que a satisfação dele está em trazer um pouco do trabalho que eles desenvolvem para cá e fazer novos amigos neste caminho.

Já o grafiteiro Rudinei Rudy, de 22 anos, vê no projeto uma forma de divulgar os artistas corumbaenses e trazer o pantanal para mais perto de todos. “É muito bom para mostrarmos um porco do que os artistas corumbaenses estão fazendo”, avalia.

O projeto ainda contou com os desenhos de Vitor Hugo, 26 anos, artista plástico.

Jornal Midiamax