Geral

Incêndio em casa no Los Angelos matou bebê, suspeita é de crime

Ocorrência foi atendida pela Guarda Municipal que acionou a Tropa de Choque da Polícia Militar e a Polícia Civil ao perceber que o incêndio pode ser criminoso

Arquivo Publicado em 09/03/2014, às 19h27

None
17691154.jpg

Ocorrência foi atendida pela Guarda Municipal que acionou a Tropa de Choque da Polícia Militar e a Polícia Civil ao perceber que o incêndio pode ser criminoso

A casa que pegou fogo na tarde deste domingo (9), no Jardim Los Angeles, pode ter sido incendiada propositalmente. Uma das hipóteses já levantadas é que o incêndio é criminoso. O bebê que estava no berço onde o incêndio começou morreu na Upa Universitário (Unidade de Pronto Atendimento).

Segundo informações preliminares, a ocorrência foi atendida pela Guarda Municipal que acionou a Tropa de Choque da Polícia Militar e a Polícia Civil ao perceber que o incêndio poderia ser criminoso.

Conforme informações de testemunhas, quatro homens chegaram à Upa Universitário com a criança queimada para ser socorrida. Após a criança ser levada para atendimento, um dos homens fugiu do local e três deles ficaram em salas diferentes escoltados pela polícia.

A reportagem chegou a conversar com um deles, antes de ele ser levado para uma das salas. José Assunção Arce Escobar, que se identificou como dono de um lava-jato no bairro Los Angeles, disse primeiramente que estava passando em frente da casa a pé quando viu que estava pegando fogo e entrou para ajudar. Ele disse ainda que tirou a criança do berço e saiu desesperado para buscar ajuda. Neste momento, segundo ele, um carro parou e o motorista o levou até a UPA. O padrasto da criança o teria acompanhado.

Muito nervoso e com marcas de cinza do corpo da criança, ele disse depois que teria passado de carro em frente do local e ao perceber o incêndio parou para ajudar.

Ele, o padrasto da criança e outro homem foram levados pelos policiais no camburão para o local do crime. A informação é de que a perícia vai até lá e que depois eles devem ser levados a Depac Piratininga (Delegacia de Pronto Atendimento).

Não resistiu

Segundo informações de um funcionário da Upa, que não quer ser identificado, a criança morreu logo depois ter chegado ao local.

Ele não soube dar outras informações e pontuou que a mãe está muito desesperada.

Jornal Midiamax