Geral

Ideia era fazer bazar e juntar grana para viajar, mas sucesso foi tanto, que virou negócio

Fim de ano todo mundo quer viajar. Ir para a praia tomar aquele sol e voltar com o bronze de dar inveja nas amigas. Mas se o planejamento não começou com antecedência o sonho de passar o fim de ano na beira-mar acaba ficando só no pensamento. Afinal, sem grana não há a menor chance […]

Arquivo Publicado em 08/04/2014, às 20h06

None
250560441.jpg

Fim de ano todo mundo quer viajar. Ir para a praia tomar aquele sol e voltar com o bronze de dar inveja nas amigas. Mas se o planejamento não começou com antecedência o sonho de passar o fim de ano na beira-mar acaba ficando só no pensamento. Afinal, sem grana não há a menor chance de curtir o sol na areia.

Foi assim que as irmãs Nathália Barros Correa, de 26 anos, e Marina Barros Correa, de 21 anos, se encontravam no fim do ano passado. Com vontade curtir o mar, mas sem dinheiro para viajar elas decidiram fazer um bazar e vender as roupas que estavam paradas há tempos no guarda-roupa. “Queríamos viajar e não tínhamos dinheiro, então pensamos porque não vender algumas coisas que já não usamos mais”, conta Nathália.

Em poucos dias, ela e Marina, chamaram várias primas, amigas e colocaram tudo que não queriam mais à venda. “Fomos falando com uma, com outra e em pouco tempo tínhamos um monte de peças legais para vender”, diz.

O bazar foi um sucesso, afinal, as duas, apaixonadas por moda colocaram à venda peças que é o sonho de muitas fashionistas. “Tinha peça do Reinaldo Lourenço, Bob Store, Triton, Zion, Evidence, Spezatto, Maria Bonita, Glória Coelho, Farm, Ellus”, cita, lembrando que as mesmas grifes estão exposta no brechó que inaugura manhã.

A procura continuou mesmo depois de findado o bazar, foi quando decidiram fazer da ideia, que era um socorro, um negócio. E assim surgiu o Brechó Balacobaco. “O pessoal continuou perguntando se íamos fazer outras edições. Foi tanta gente querendo, que decidimos abrir o brechó”, explica.

Nathália conta que vê na ideia uma oportunidade de empreender e também de colocar a sustentabilidade, tão falada por todos, em prática. “A gente consegue trabalhar a sustentabilidade. Todo mundo fala, fala, mas pouco se faz. Reutilizar é uma forma muito legal de preservar”, afirma.

Por isso, diz os preços praticados por ela vai ser bem camarada. As peças começam a partir de R$ 1,99. A mais cara, uma jaqueta de couro da BOB Store, sai por R$ 199,00. Peças Jens custam em torno de R$ 30,00 e tem até peças infantis, por menos de R$ 10,00, muitas delas.

A inauguração acontece nesta quarta-feira (9), às 14 horas. O Brechó Balacobaco fica na Rua 25 de Dezembro, 1.268, Jardim dos Estados.

Jornal Midiamax