Geral

Homem morto a facadas pode ter sido atacado por ex-prostituta que ‘tirou do prostíbulo’

A Polícia Civil está investigando como latrocínio (roubo seguido de morte) o caso do assassinato de Oronildo Menezes, 43 anos, foi encontrado morto por seu irmão, quando ele foi visitá-lo em casa no fim da tarde de domingo (23) em Campo Grande. Da casa de Oronildo foram levados uma TV, documentos, o celular e o […]

Arquivo Publicado em 24/02/2014, às 13h35

None

A Polícia Civil está investigando como latrocínio (roubo seguido de morte) o caso do assassinato de Oronildo Menezes, 43 anos, foi encontrado morto por seu irmão, quando ele foi visitá-lo em casa no fim da tarde de domingo (23) em Campo Grande.


Da casa de Oronildo foram levados uma TV, documentos, o celular e o carro, um Ford Escort Hobby vermelho. Ele morava na Rua Virgílio Alves Chaves, no bairro Monte Carlo. O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos (Defurv).


Oronildo levou oito facadas. Duas na face no lado esquerdo, duas no tórax, uma no abdômen e três na coxa direita.


Suspeitas


A principal suspeita sobre a autora ou mandante do latrocínio recai sobre uma mulher que morava com ele. De acordo com informações eles se conheceram na virada do ano e Oronildo a chamou para morar com ele, em sua casa.


A mulher é evadida do semiaberto onde cumpria pena por trafico. A polícia foi até a boate onde a mulher trabalhava, o dono confirmou a relação dela com uma pessoa que tem um Hobby vermelho, mas não sabe dizer quem era.


Além dessa mulher, outra pessoa de identidade desconhecida estaria morando na casa de Oronildo.


O caso


O irmão afirmou à polícia que, no sábado, ele teria pedido a Oronildo para fazer compra de mantimentos, para levar à fazenda em Rochedo. Como o irmão não havia aparecido até o começo da noite de domingo, ele resolveu ir até a casa e verificar como o homem estava.


De acordo com o Corpo de Bombeiros, quando eles chegaram ao local o corpo de Oronildo apresentava lesões de arma branca e já estava em estado de rigidez cadavérica. A arma do crime não foi localizada.

Jornal Midiamax