Geral

‘Gênio da química’, brasileiro passa em quatro faculdades dos EUA

Com muito empenho e apoiado com uma bolsa de estudo, o aluno brasileiro Ramon Gonçalves, 19 anos, deixará a residência da mãe, em Belém, Pará, para se mudar para os Estados Unidos. A única indefinição até o momento é qual será a cidade em que irá morar. Isso porque a decisão depende de qual universidade […]

Arquivo Publicado em 28/04/2014, às 00h35

None

Com muito empenho e apoiado com uma bolsa de estudo, o aluno brasileiro Ramon Gonçalves, 19 anos, deixará a residência da mãe, em Belém, Pará, para se mudar para os Estados Unidos. A única indefinição até o momento é qual será a cidade em que irá morar. Isso porque a decisão depende de qual universidade escolherá para estudar engenharia química.

No início deste ano, ele foi aprovado em quatro instituições americanas: Cornell, em Nova York; Dartmouth, em Hanover; University of Southern California, em Los Angeles; e Amherst, na cidade com mesmo nome. O jovem conquistou ainda uma vaga na University of Helsinkino, considerada a melhor da Finlândia, e no Instituto Militar de Engenharia (IME), que tem uma das seleções mais difíceis do Brasil.

O estudante avalia que as aprovações refletem uma combinação quase perfeita: apoio financeiro e muito estudo. E foi muito estudo mesmo. Em alguns meses ele chegou a adotar uma rotina pesada de aulas, que em alguns momentos chegou a quase 18 horas diárias. “Era pouco tempo. O jeito era aproveitar todos os momentos para aprender”, resume.

A possibilidade de estudar no exterior é o resultado de uma trajetória que começou em 2011, quando Ramon se destacou durante a Olimpíadas Nacional de Química. Na época, o jovem morava com a mãe Ivete dos Santos, em Belém. “A minha escola infelizmente não tinha a estrutura necessária, como laboratórios. Após pedir ajuda ao coordenador da Olimpíada, conquistei uma bolsa de estudos no Sistema Ari de Sá (SAS), em Fortaleza (CE)”, recorda.

A mudança de vida foi radical. Ele passou a morar num pensionato junto com outros 35 estudantes de diversas partes do País e adotou uma carga horária de aula pesada. “Precisava recuperar o conteúdo para ficar no mesmo nível dos colegas. Foi difícil”, reconhece.

Mas o sacrifício teve retorno e o resultado veio rapidamente. Na etapa eliminatória das Olimpíadas Nacional, em agosto de 2011, ele ficou entre os 40 melhores estudantes do País. Cinco meses depois, o jovem estava entre os 15 melhores.

Após imersões e muito estudo, terminou em 4º lugar o Campeonato Nacional, em 2012, o que lhe rendeu vaga em competições internacionais. Fora do País, Ramon conquistou uma medalha de bronze na Olimpíada Internacional de Química, nos Estados Unidos, e uma de prata na versão ibero-americana da competição, que ocorreu na Argentina.

As experiências fizeram com que ele tivesse contato com outras culturas o que despertou o interesse em estudar em outros países. “São instituições com grande potencial e que querem investir nos estudantes que eles acreditam ter potencial, mas isso é pouco divulgado no Brasil”, afirmou.

E para permitir que outros estudantes possam ter a mesma oportunidade, Ramon criou o site www.talentosemfronteiras.com. A ideia é aproximar os estudantes dessas instituições. “Muitas vezes é preciso mais do que se esforçar para chegar ao sucesso. É fundamental contar com a estrutura de um bom colégio”, reconhece.

Para provar que os investimentos em educação podem gerar resultados importantes, Ramon está concluindo um projeto diferenciado na área química.

O estudo prevê a substituição do petróleo por derivado da cana-de-açúcar no processo de criação de propano, que é o principal ingrediente de plásticos como o polietileno e o polipropileno. O objetivo é reduzir o consumo de petróleo e amenizar o impacto ao meio ambiente.

Jornal Midiamax