Geral

Garis do Rio de Janeiro conseguem reajuste de 37% e encerram greve

Garis e prefeitura do Rio de Janeiro chegaram a um acordo no final da noite do sábado, com proposta de reajuste salarial de 37 por cento que encerrou a greve iniciada no início do carnaval e deixou grandes quantidades de lixo acumulado na cidade. O acordo foi formalizado em uma audiência de conciliação no Tribunal […]

Arquivo Publicado em 09/03/2014, às 11h21

None

Garis e prefeitura do Rio de Janeiro chegaram a um acordo no final da noite do sábado, com proposta de reajuste salarial de 37 por cento que encerrou a greve iniciada no início do carnaval e deixou grandes quantidades de lixo acumulado na cidade.


O acordo foi formalizado em uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho, de acordo com a prefeitura, que teve de ceder na negociação iniciada antes do carnaval para encerrar a paralisação.


Os grevistas conseguiram nas negociações elevar o piso salarial de aproximadamente 802 reais para 1.100 reais, um aumento de 37 por cento. Além disso, os garis ganharam um adicional de insalubridade de 40 por cento e aumento do vale refeição para 20 reais. Antes do carnaval, a prefeitura oferecia aumento de 9 por cento sobre o piso e vale refeição de 16 reais.


“Vamos fazer um esforço orçamentário. Esta é uma proposta generosa para uma categoria que merece ser muito bem remunerada”, declarou em comunicado o prefeito Eduardo Paes.


Segundo a prefeitura, os garis retornaram ao trabalho na noite do sábado. No entanto, ruas e avenidas da cidade ainda exibiam grandes quantidades de lixo deixadas por prédios, estabelecimentos comerciais e blocos carnavalescos.


Caminhões da Companhia de Limpeza Urbana do Rio de Janeiro, Comlurb, também foram vistos em alguns pontos da cidade circulando com a escolta de policiais.


Durante a greve, garis que queriam voltar ao trabalho foram ameaçados e tiveram vassouras e outros equipamentos quebrados por grevistas.


A prefeitura chegou a acusar o movimento grevista de ter motivação política, visto que alguns garis eram filiados a partidos políticos, e, cogitou também a possibilidade de haver uma pressão para tentar pressionar a privatização da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb).

Jornal Midiamax