Geral

Gaeco vai pedir apoio à Interpol para o cumprimento de mandados na Operação Prometeu

O Grupo De Atuação De Combate ao Crime Organizado (Gaeco) irá pedir apoio da Interpol para cumprir 11 mandados de prisão da Operação Prometeu, realizada na última quarta-feira (2), em Mundo Novo. A prisão preventiva dessas pessoas foi decretada na data na terça-feira (8), pelo Juiz Eduardo Floriano Almeida. Os foragidos poderiam estar se escondendo […]

Arquivo Publicado em 09/04/2014, às 22h10

None

O Grupo De Atuação De Combate ao Crime Organizado (Gaeco) irá pedir apoio da Interpol para cumprir 11 mandados de prisão da Operação Prometeu, realizada na última quarta-feira (2), em Mundo Novo. A prisão preventiva dessas pessoas foi decretada na data na terça-feira (8), pelo Juiz Eduardo Floriano Almeida. Os foragidos poderiam estar se escondendo em território paraguaio.


Continuam foragidos Adeilson de Almeida, Adenilson de Souza Nascimento,Adriano Pezenti, Almir Roberto Santana André da Silva Carneiro, Cristaldo Souza Santos (suspeito de ser chefe da quadrilha), Jonhi Reis Fernandez Filho, Julio César dos Santos Teixeira, Luciano Carlos Miranda, Thiago Carvalho dos Santos e Vilmar Fernandes da Silva.


Em nota, o Gaeco informou que mesmo com o fim do período da prisão temporária, continuam recolhidos na Penitenciária de Segurança Máxima de Naviraí: Antonio Vieiro, Alex Alexandre do Nascimento, José Carlos Barbosa da Silva, Luciano Rodrigues Pires, Sérgio Mendonza de Oliveira, Vagner Candido dos Santos e Edmauro Vilson da Silva. Eles permanecem por porque tiveram as prisões mantidas pelo Judiciário.


No presídio de Segurança estão Adriano Silva Santos, Vagner de Paula Toledo, Willian Henrique Gomes dos Santos, Ruan Guilherme de Assis Oliveira, Ricardo Alexandrino Humberto, Marcioney Cordeiro de oliveira, Jefferson Cunha, Eliseu Cardoso, Edimar Henrique de Oliveira e Ednilson Vargas.
Alguns presos foram liberados da Penitenciária de Segurança Máxima de Naviraí, nessa segunda-feira(07), quando terminou o prazo da prisão temporária (5 dias). No caso deles, o Gaeco pediu a substituição da prisão pelas seguintes medidas: obrigação de comparecimento periódico em juízo, proibição de sair da cidade e recolhimento domiciliar no período noturno e nos dias de folga.


As quatro pessoas presas em flagrante no dia da operação por porte ilegal de arma de fogo, o Gaeco esclarece que duas delas pagaram fiança e foram liberadas, enquanto outras duas permanecem presas no aguardo de decisão da Justiça.

Jornal Midiamax