Geral

Família demora para conseguir atendimento e diz que que posto de saúde não respeita classificação de risco

A família de um idoso de 84 anos diz estar indignada com a demora em conseguir o atendimento médico no Centro Regional de Saúde no CRS Dr. Waldeck Fletner de Castro Lima, no bairro Coophavila em Campo Grande.  De acordo com o filho do idoso, o empresário Cícero da Rocha, o pai teve um Acidente […]

Arquivo Publicado em 06/01/2014, às 21h22

None

A família de um idoso de 84 anos diz estar indignada com a demora em conseguir o atendimento médico no Centro Regional de Saúde no CRS Dr. Waldeck Fletner de Castro Lima, no bairro Coophavila em Campo Grande.


 De acordo com o filho do idoso, o empresário Cícero da Rocha, o pai teve um Acidente Vascular Cerebral (AVC) no domingo (5) e foi levado ao posto de saúde na manhã desta segunda-feira (6) para atendimento médico, mas demorou cerca de três horas para ser atendido no local.


O empresário diz acreditar que o posto de saúde não está cumprindo a lei que determina a classificação de emergência e estariam atendendo a população por ordem de chegada. Durante a manhã havia cerca de 80 pessoas na unidade de saúde.


Não estão dando prioridade para o idoso. Fala da classificação de risco, mas chega uma pessoa com AVC ele tem que esperar o atendimento da ordem do balcão”, afirma.


Após o atendimento, o idoso foi atendido e está em repouso e a família ainda não sabe para onde ele será transferido. Segundo o filho do idoso, não  haviam ambulâncias durante a manhã para fazer a transferência. “Não tem precisão do horário, nenhuma ambulância. A central de regulação de vagas parece que não funciona para transferir um paciente de alto risco”, comenta.


A Secretaria Municipal de Saúde Pública (Sesau) informou que nenhum paciente com AVC teria sido atendido no Centro Regional de Saúde (CRS) Dr. Waldeck Fletner de Casto.


A secretaria afirma que os atendimentos são feitos conforma classificação de risco baseada em cores (vermelho, amarelo, verde e azul), as quais identificam a prioridade no atendimento, sendo que os casos vermelhos são atendidos de imediato. Ainda conforme a Sesau, no período da manhã de segunda-feira havia três médicos atendendo na unidade de saúde.


Matéria editada para correção de informação.

Jornal Midiamax