Geral

Ex-zagueiro inglês desabafa: “seria capitão se fosse branco”

Ex-zagueiro da seleção inglesa recentemente aposentado, Sol Campbell, 39 anos, publicou sua biografia com declarações fortes. Extratos foram obtidos neste domingo e dão conta de um sentimento de racismo velado por parte do jogador que foi ídolo de Tottenham e Arsenal. Para Campbell, sua cor de pele impediu que fosse capitão de seu país. Com […]

Arquivo Publicado em 02/03/2014, às 13h59

None

Ex-zagueiro da seleção inglesa recentemente aposentado, Sol Campbell, 39 anos, publicou sua biografia com declarações fortes. Extratos foram obtidos neste domingo e dão conta de um sentimento de racismo velado por parte do jogador que foi ídolo de Tottenham e Arsenal. Para Campbell, sua cor de pele impediu que fosse capitão de seu país.


Com 73 participações pela Inglaterra no currículo, incluindo três delas com a braçadeira, o zagueiro disse que a Football Association e a maioria dos fãs não desejavam que um negro liderasse a seleção nacional. “Creio que se fosse branco, seria capitão da Inglaterra por mais de dez anos. É simples assim”, afirmou.


“Eu acho que a FA queria que eu fosse branco. Eu tinha credibilidade e inteligência para ser capitão. Fui consistente no coração da defesa e precocemente capitão de meu clube. Não acho que isso vá mudar porque eles não querem a provavelmente a maioria dos fãs também não”, reclamou em extrato publicado pelo jornal Sunday Times.


Aposentado em maio de 2012, Campbel fez mais críticas e se disse decepcionado quando Michael Owen assumiu a braçadeira. “Está tudo bem em ter capitães negros no Sub-18, no Sub-21, mas não para a equipe principal. Há um telhado e, embora ninguém nunca tenha dito isso, acredito que é feito de vidro. Acho que a FA não queria me dar voz”, disse, com mais críticas logo depois.


“Owen era um fantástico atacante, mas nem de longe seria capitão. Me questionei muitas vezes por que não era. Continuo em busca da mesma resposta. Era por minha cor de pele”, afirmou. Sol Campbell jogou três Copas do Mundo e três Eurocopas pela Inglaterra entre 1996 e 2006. Teve a braçadeira por três partidas, sempre amistosos: Bélgica e República Checa em 1998, sob comando de Glen Hoddle, e Estados Unidos, em 2005, com Sven-Goran Eriksson.

Jornal Midiamax