Geral

Ex-presidente da OAB ‘lembra’ de prima e pede exclusão da comissão que fez prova da Sefaz

O ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil de MS, Leonardo Avelino Duarte, informou ao Midiamax que já encaminhou ao Governo do Estado o pedido de exclusão do nome dele do grupo de elaboradores da prova do concurso da Secretaria de Estado de Fazenda. A decisão foi tomada pouco após publicação de reportagem que aponta […]

Arquivo Publicado em 18/02/2014, às 21h28

None
747751035.jpg

O ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil de MS, Leonardo Avelino Duarte, informou ao Midiamax que já encaminhou ao Governo do Estado o pedido de exclusão do nome dele do grupo de elaboradores da prova do concurso da Secretaria de Estado de Fazenda.

A decisão foi tomada pouco após publicação de reportagem que aponta o parentesco entre ele e uma das inscritas para concorrer ao cargo de agente tributário estadual.

Por telefone, o ex-presidente da OAB-MS negou o parentesco. Porém, Larissa confirmou. Minutos depois, Leonardo conversou novamente com a reportagem e disse ter lembrado da prima. “Coitadinha dela, lembrei dela”, afirmou.

Leonardo Duarte é primo de primeiro grau de Larissa Mamede Duarte, inscrita para disputar uma das 40 vagas para agente tributário estadual.

“Você sabe quantos tios eu tenho? Tenho nove. Tem gente que não vejo há anos”, justificou-se.


Provas prontas

O advogado garantiu que já protocolou o pedido de afastamento e aguarda o deferimento por parte da secretária Thie Higuchi e a publicação. A decisão da exclusão deve sair amanhã (19), em Diário Oficial. Porém, o líder do Governo na Assembleia, deputado Junior Mochi (PMDB) confirmou em tribuna nesta manhã (18) que as provas já foram impressas.

O concurso é questionado pelo Ministério Público Estadual, que ofereceu denúncia apontando nomes de chefes e superintendentes de dentro da secretaria. Pelos cargos, essas pessoas poderiam ter acesso às provas, comprometendo a moralidade do concurso público.

A Justiça pode julgar amanhã (19) o agravo regimental da Procuradoria-Geral de Justiça, pedindo que a reconsideração da decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul que pode acarretar a anulação do concurso.

Um grupo de candidatos protestou pela anulação das provas para fiscal de renda que está marcada para o dia 23 de fevereiro e a de agente tributário, para 9 de março. Os salários variam entre R$ 6.661,57 e R$ 10.883,32.

Jornal Midiamax