Estados Unidos concluem destruição de arsenal químico da Síria

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira que concluiu a destruição das armas químicas da Síria a bordo do navio Cape Ray, que desde julho se encarregou de acabar com esse arsenal nas águas internacionais do Mediterrâneo. “Hoje marcamos uma conquista importante em nosso contínuo esforço para resistir à proliferação de armas de destruição […]
| 19/08/2014
- 14:12
Estados Unidos concluem destruição de arsenal químico da Síria

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira que concluiu a destruição das armas químicas da Síria a bordo do navio Cape Ray, que desde julho se encarregou de acabar com esse arsenal nas águas internacionais do Mediterrâneo.

“Hoje marcamos uma conquista importante em nosso contínuo esforço para resistir à proliferação de armas de destruição em massa através da eliminação do arsenal declarado de armas químicas da Síria”, disse o presidente Barack Obama em comunicado.

“As armas químicas declaradas mais letais do regime sírio foram destruídas por dedicados profissionais americanos civis e militares através da capacidade única dos EUA a bordo do navio Cape Ray, e o fizeram a bordo dessa embarcação americana várias semanas antes do previsto”, advertiu o presidente, que classificou a operação como “um marco”.

Obama destacou o esforço da comunidade internacional e da Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq) para avançar rumo ao “objetivo comum” de “garantir que o regime de (Bashar al) Assad não possa utilizar seu arsenal químico contra o povo sírio”.

“Estamos muito agradecidos com a Missão Conjunta das Nações Unidas-Opaq e com toda a coalizão internacional por esta conquista sem precedentes”, acrescentou Obama, que não esqueceu a colaboração da China e da Rússia nas negociações com Damasco, assim como a de seus parceiros mais próximos como Dinamarca, Noruega, Itália, Finlândia, Alemanha e Reino Unido.

“No futuro, vamos monitorar de perto a Síria para que cumpra com seu compromisso de destruir as instalações restantes de produção de armas químicas. Além disso, persistem sérias dúvidas a respeito das omissões e divergências na declaração da Síria à Opaq e constantes denúncias”, acrescentou o presidente americano, que disse que essas preocupações serão abordadas.

Por sua vez, o secretário de Estado, John Kerry, lembrou que precisamente na próxima quinta-feira completa um ano “do apavorante e mortal ataque com armas químicas” por parte do governo de Assad, que acabou com a vida de mais de mil sírios, muitos deles crianças, nos subúrbios de Damasco.

“Ninguém pode neste mundo apagar essa lembrança. As imagens das crianças sofrendo nas mãos do arsenal ilícito de um monstro lembram todo o mundo por que essas armas de destruição em massa foram rechaçadas pelo mundo civilizado e revelaram, para quem ainda duvidava, o verdadeiro rosto de Assad”, disse Kerry.

Por sua vez, o secretário de Defesa, Chuck Hagel, também ressaltou a importância da missão e telefonou para o capitão do Cape Ray, Rich Dromerhauser, a quem agradeceu seus esforços e os do restante da tripulação.

Os Estados Unidos conseguiram neutralizar em 41 dias, bem menos do que o previsto, cerca de 600 toneladas de gás sarin e outras 20 de gás mostarda cujos resíduos agora serão destruídos em instalações terrestres na Alemanha e na Finlândia.

Últimas notícias