Geral

Enquete: campo-grandense divide opiniões sobre porte de armas por guardas municipais

Após alguns abusos de autoridade cometidos por guardas municipais em Campo Grande, o Midiamax foi às ruas para saber o que a população campo-grandense pensa sobre o porte de armas por parte desses profissionais. Na Capital, este porte está em vias de ser liberado. De acordo com a supervisora de vendas, Muriel Alle, é preciso […]

Arquivo Publicado em 16/09/2014, às 16h20

None
183817353.jpg

Após alguns abusos de autoridade cometidos por guardas municipais em Campo Grande, o Midiamax foi às ruas para saber o que a população campo-grandense pensa sobre o porte de armas por parte desses profissionais. Na Capital, este porte está em vias de ser liberado.

De acordo com a supervisora de vendas, Muriel Alle, é preciso ter cuidado, pois muita gente é “topetuda”. “Eu tenho um conhecido que é guarda municipal. Ele tem um gênio um pouco difícil. Por isso acho que não pode ser tão fácil um guarda portar armas”, alerta.

A vendedora Tainara Quelho, diz, também, ser contra o porte. “É desnecessário porque já tem muita gente armada por aí. Se a polícia já comete abusos, imagina esses guardas que são um pouco inexperientes”, ressalta.

O aposentado, Manoel Roque da Silva, de 68 anos, segue desta mesma opinião e diz ser contra. Ele teme que os abusos de autoridade aumentem. “Acho que nossa cultura não comporta isso. Tem muita malandragem”, conta.

Já outro aposentando, Carlos Alberto Dantas, de 74 anos, diz ser favorável, porém, com ressalvas. “Se for para defender o povo eu sou a favor, contudo, é preciso treinar muito bem esses agentes. Arma de fogo é coisa séria”, adverte.

Por sua vez, a vendedora Aline Machado afirma que as armas vão ajudar a reduzir a violência. “Nosso país e nossa cidade estão muitos violentos, é preciso armar eles sim”, explica.

O estudante Rodrigo Pereira também é a favor do porte. Segundo ele, o até mesmo o cidadão deveria ter uma arma. “Mesmo que seja para ser usada em casa é bom a população ter algo para se defender, porque o Estado não faz sua parte”. Ele diz que, na semana passada, quase foi assaltado em frente de sua casa.

De acordo com a assessoria de imprensa da Guarda Municipal de Campo Grande, atualmente, o efetivo de agentes é de 1.350, porém, por enquanto, nenhum deles portam armas de fogo. “Antes de ser liberado o porte, é preciso que os agentes passem por avaliações escritas, físicas e, principalmente, psicológicas. Só após isso, o guarda entra para um curso que vai verificar se ele está apto”, informou a assessoria.

Este curso, segundo a Guarda Municipal, está em fase de implementação. Ele deve seguir a Lei Federal 13022/2014, que foi sancionada em agosto.

Caso de abuso de autoridade


No último domingo (14), o guarda municipal David Rodrigues Costa, de 27 anos, foi preso por portar ilegalmente arma de fogo. Além disso, ele efetuou disparos em frente de uma casa e, posteriormente, desacatou policiais que o prenderam.

Segundo moradores do Jardim Centro Oeste, o motorista de um gol vinho parou em frente de uma casa, deu vários disparos e fugiu. Posteriormente, a PM (Polícia Militar) encontrou o carro parado em frente da casa de David.

O suspeito desconversou, dizendo que não sabia de nada, porém, os PMs encontraram cápsulas de calibre 9 milímetros dentro de seu carro. Ele foi encaminhado para a delegacia, lá começou a xingar os policiais que o prenderam e acabou autuado por desacato.



Jornal Midiamax