O dólar fechou em leve queda nesta segunda-feira, com os investidores relutando em fazer grandes apostas antes da divulgação de indicadores econômicos importantes dos Estados Unidos e da reunião do Federal Reserve, banco central americano, nesta semana.

A divisa dos EUA recuou 0,18%, a R$ 2,2235 na venda, após oscilar entre R$ 2,2195 e R$ 2,2355 durante o dia. No exterior, o dólar operava estável ante uma cesta de moedas.

“É uma semana de agenda cheia, é natural que comece sem muitos movimentos, enquanto o fluxo de notícias não engrena”, afirmou o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

O mercado aguarda a divulgação na quarta-feira do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA no segundo trimestre, que pode reforçar a tese de que a recuperação da maior economia do mundo retomou o passo após a contração no primeiro trimestre. Levantamento da Reuters com analistas indica expectativa de crescimento de 3% em termos anualizados.

No mesmo dia, o Fed anuncia sua decisão de política monetária que, atualmente, consiste em reduzir gradualmente as medidas de estímulo. O mercado projeta aumento dos juros no segundo semestre do ano que vem, o que poderia levar a um redirecionamento para o mercado americano de recursos atualmente aplicados em outros países, como o Brasil.

Segundo relatório do banco Barclays, não se espera grandes surpresas da reunião, com o Fed repetindo que deve concluir seu programa de compra de títulos em outubro.

“O Fed deve reconhecer a força da economia dos EUA, o que pode mexer um pouco com o dólar. Mas de forma geral, ninguém está esperando uma surpresa muito grande”, afirmou o operador de câmbio da corretora Intercam, Glauber Romano.

A formação da Ptax do mês na quinta-feira deve trazer alguma volatilidade para o mercado de câmbio nos próximos dias. A Ptax é uma taxa calculada pelo BC que serve de referência para diversos contratos cambiais. Nos dias que antecedem sua formação, operadores costumam brigar para puxar a cotação do dólar a patamares mais favoráveis a suas posições.

A constante atuação do Banco Central brasileiro no mercado também contribuiu para a estabilidade do câmbio nesta sessão. Pela manhã, o BC vendeu a oferta diária total de até 4 mil swaps cambiais, com vencimento em 2 de fevereiro de 2015, em volume equivalente a US$ 198,7 milhões. Também foram ofertados contratos para 1º de junho de 2015, mas nenhum foi vendido.

O BC também vendeu a oferta total de até 7 mil swaps para rolagem dos contratos que vencem no início de agosto. Ao todo, o BC já rolou pouco mais de 60% do lote total, que corresponde a US$ 9,457 bilhões.