Geral

Dilma propõe burocracia zero e banda larga para todos em convenção do PT

A presidente Dilma Rousseff aproveitou a convenção deste sábado para lançar seu “Plano de Transformação Nacional”, um conjunto de propostas que inclui a desburocratização dos processos de governo, as reformas federativa, das áreas urbanas, dos serviços públicos, além da universalização da banda larga para todos e a reforma política. Os dois últimos temas constavam de […]

Arquivo Publicado em 22/06/2014, às 13h20

None

A presidente Dilma Rousseff aproveitou a convenção deste sábado para lançar seu “Plano de Transformação Nacional”, um conjunto de propostas que inclui a desburocratização dos processos de governo, as reformas federativa, das áreas urbanas, dos serviços públicos, além da universalização da banda larga para todos e a reforma política. Os dois últimos temas constavam de suas promessas de campanha de 2010 e pouco evoluíram no primeiro mandato.


“ Nós todos nos propomos a construir não apenas um novo ciclo de desenvolvimento. Nos propomos em construir um novo ciclo histórico junto com o povo brasileiro. Pressupõe uma transformação educacional, uma verdadeira transformação tecnológica e também uma mudança radical no acesso digital, no acesso à internet. Pressupõe que a gente faça cada vez e sempre a reforma dos serviços públicos, uma reforma urbana, esta que é outra que todos nós reivindicamos, a reforma política e uma reforma federativa”, afirmou.


Dessa forma, Dilma procura dar uma resposta a parte das reivindicações que motivam os protestos desde junho de 2013, que pedem, por exemplo, melhor Saúde e Educação.


No caso da burocracia, tema que Dilma vem apontando como um problema desde que assumiu a Presidência, seria criado um programa, cujas bases ela não detalhou, mas que já tem nome: “Brasil sem burocracia”.


Dilma disse que nenhum país se desenvolveu sem “romper as amarras antigas da burocracia”:


“A burocracia distorceu as necessidades do Estado brasileiro por mais de 50 anos. Para avançarmos, é necessário tornar o Estado brasileiro não um Estado mínimo, como querem alguns, mas um Estado eficiente, transparente e moderno”.


A reforma dos serviços públicos consistiria numa melhora na qualidade do atendimento, especialmente na Saúde pública, e a reforma urbana incluiria o programa de distribuição de moradias populares, tendo o Minha Casa Minha Vida como principal pilar. As obras de mobilidade, como duplicação de estradas e construção de metrôs, estão nessa rubrica.


Em um discurso recheado de números e citações dos programas de governo, Dilma fez um balanço de suas realizações, como o Pronatec, o Mais Médicos, o aumento do salário mínimo em 70% acima da inflação, o Programa Universidade para Todos (Prouni).

Jornal Midiamax