Geral

Dilma afirma que mulheres são a ‘nova força que movimenta o Brasil’

A presidente Dilma Rousseff, em pronunciamento em rede nacional neste sábado pelo Dia Internacional da Mulher, afirmou que as brasileiras são “a nova força que movimenta” o país, mas lembrou que “muitas barreiras ainda precisam ser rompidas para diminuir a desigualdade entre os gêneros”. “O Brasil criou, nos últimos três anos, 4,5 milhões de empregos. […]

Arquivo Publicado em 08/03/2014, às 23h48

None

A presidente Dilma Rousseff, em pronunciamento em rede nacional neste sábado pelo Dia Internacional da Mulher, afirmou que as brasileiras são “a nova força que movimenta” o país, mas lembrou que “muitas barreiras ainda precisam ser rompidas para diminuir a desigualdade entre os gêneros”.

“O Brasil criou, nos últimos três anos, 4,5 milhões de empregos. Mais da metade desses empregos, com carteira assinada, foram conquistados pelas mulheres. Por este e outros motivos, podemos dizer que a mulher é a nova força que move o Brasil”.

Dilma ressaltou o papel das brasileiras na economia do país e sua ascensão social na última década. “Nos últimos 11 anos (desde o governo do ex-presidente Lula), as 36 milhões de pessoas que saíram da extrema pobreza, mais da metade são mulheres”, indicou.

Segundo ela, entre as 20 maiores economias do mundo, o Brasil é o país que tem mais mulheres empreendedoras, devido, entre outros aspectos, à abertura de linhas de crédito.

“Somos um país líder em empreendimento feminino porque a mulher brasileira tem a sensibilidade de perceber que, abrindo um negócio próprio, ela pode administrar melhor sua vida e a de sua família”, disse, ao destacar os programas sociais realizados pelo governo federal em defesa da mulher.

Dilma ressaltou que a principal preocupação do governo federal é o combate à violência de gênero e a luta pela igualdade de oportunidades de trabalho e salário entre homens e mulheres.

“Como primeira mulher em ocupar a presidência do país, vejo com imensa alegria vários programas criados nos últimos anos. muitas barreiras ainda precisam ser rompidas para diminuir a desigualdade entre os gêneros, dar mais autonomia às brasileiras de todas as classes sociais”, comentou.

A chefe de Estado defendeu uma redução “ainda maior” da burocracia e dos impostos para que as empresas dirigidas por mulheres “sejam ainda mais numerosas”.

“É preciso que muito mais mulheres ocupem o topo das decisões das empresas e das entidades representativas”, afirmou.

Também por causa do Dia Internacional da Mulher, centenas de brasileiras se concentraram em diversas capitais em todo o país para pedir o fim da violência de gênero e mais políticas de igualdade.

Em São Paulo, um grupo de mulheres, algumas delas mães de vítimas de violência, saíram às ruas da capital paulista para distribuir flores e ressaltar a importância da mulher na sociedade.

Jornal Midiamax