Geral

Corpos de vítimas de chacina em Goiás são enterrados separadamente

Os corpos das quatro jovens assassinadas em uma chacina no Morro do Mendanha, em Goiânia, são sepultados neste domingo (9) separadamente. Uma delas, de 16 anos, foi a primeira a ser enterrada, às 9h30, no Cemitério de Trindade, na Região Metropolitana. Familiares e amigos participam do velório da mais nova das vítimas, de 15 anos, […]

Arquivo Publicado em 09/03/2014, às 13h41

None
1520219567.jpg

Os corpos das quatro jovens assassinadas em uma chacina no Morro do Mendanha, em Goiânia, são sepultados neste domingo (9) separadamente. Uma delas, de 16 anos, foi a primeira a ser enterrada, às 9h30, no Cemitério de Trindade, na Região Metropolitana.


Familiares e amigos participam do velório da mais nova das vítimas, de 15 anos, na Igreja Assembleia de Deus do Setor Jardim Floresta, também em Trindade. O enterro está previsto para as 13 horas no cemitério da cidade.


O corpo de uma das jovens de 19 anos será sepultado em Araguaína (TO), onde ela nasceu. A outra vítima de 19 anos será enterrada em Itapuranga, no noroeste goiano, por causa de familiares.


Desde o início da manhã, uma equipe da Polícia Civil faz buscas por suspeitos de cometer o crime. No entanto, até as 11 horas, agentes da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH) informaram que ninguém havia sido detido.


Crime


O crime aconteceu na madrugada de sábado (8), mas os corpos só foram localizados pela manhã, após uma testemunha acionar a Polícia Militar. Segundo a Polícia Civil, as vítimas foram executadas juntas, uma ao lado da outra, cada uma com um tiro na cabeça.


O delegado que investiga o caso, Murilo Polati, da DIH, diz que denúncias apontam que as garotas podem ter vínculos com tráfico de drogas ou com prostituição. Polati contou que as vítimas estavam vestidas e maquiadas, como se fossem a uma festa. Ainda não se sabe se elas foram ao local espontaneamente ou se foram obrigadas. No entanto, para o delegado, não há dúvidas de que se trata de uma execução.


“Os primeiros indícios apontam que elas foram levadas ao local para serem mortas, talvez ludibriadas. A suspeita é de que pelo menos quatro pessoas participaram do crime que, infelizmente, ocorreu no Dia Internacional da Mulher”, disse.


Os peritos criminais analisaram a cena do crime e encontraram dois projéteis e algumas garrafas de bebidas. “Ainda não sabemos se essas garrafas têm ligação com o crime. Sobre os projéteis, eles aparentam ser calibre 38, mas tudo ainda será periciado”, ressaltou o delegado.


Polati apura ainda o relato de testemunhas que disseram que as vítimas moravam juntas em uma casa no Bairro São Francisco. “Inicialmente foram testemunhas que nos passaram essas informações e agora os familiares que estiveram presentes na delegacia nos confirmaram que elas tinham residências fixas com os pais, mas acabavam que ficavam o dia inteiro fora de casa, provalvemente nessa casa no Bairro São Francisco”, explica.


A mãe de um das vítimas disse que a filha sempre gostou de festas e era usuária de drogas.”Que ela usou droga, usou muito tempo, isso aí é uma coisa que não nego para ninguém”, afirma Cícera Martins, que nega ter ciência de um possível envolvimento da filha com prostituição.


Ainda em choque, a avó da mais nova relatou que a neta comentou que iria sair para lanchar com as amigas na noite de sexta-feira (7) e não a viu mais. “Chegou uma amiga dela lá e chamou ela. Essa morreu também”, lamenta Iraci de Melo.

Jornal Midiamax