Geral

Construtora desiste de reforma do Morumbi; São Paulo culpa oposição

O São Paulo pode sofrer um novo revés na tentativa de reformar o Morumbi. A construtora Andrade Gutierrez, autora do projeto de modernização do estádio, enviou uma carta ao clube informando a intenção de desistir, conforme foi confirmado pelo próprio site do clube. Em nota oficial, a atual a diretoria culpou a oposição pela saída […]

Arquivo Publicado em 28/01/2014, às 21h17

None

O São Paulo pode sofrer um novo revés na tentativa de reformar o Morumbi. A construtora Andrade Gutierrez, autora do projeto de modernização do estádio, enviou uma carta ao clube informando a intenção de desistir, conforme foi confirmado pelo próprio site do clube. Em nota oficial, a atual a diretoria culpou a oposição pela saída da empresa.

O motivo da desistência seria a guerra política entre situação e oposição – o sucessor de Juvenal Juvêncio na presidência será escolhido na segunda quinzena de abril: Carlos Miguel Aidar é o candidato preferido do atual mandatário, enquanto Kalil Rocha Abdalla representa a oposição.

“O São Paulo Futebol Clube, nesta oportunidade, quer manifestar que lamenta profundamente que a Construtora Andrade Gutierrez, que participou de toda a estruturação do Projeto até aqui, trabalhando duramente nos últimos dois anos e meio para esse fim, tenha sido levada a tomar. Esta decisão, decorrente exclusivamente da postura de conselheiros de oposição que,não satisfeitos em utilizar estratagemas regimentais para se recusar a deliberar pela aprovação, ou não, do Projeto, ainda fez veicular, por intermédio de seus correligionários, ofensas contra marca e o nome da empresa”, escreveu a diretoria do São Paulo em nota.

No fim do ano passado, Juvenal levou o projeto à votação no Conselho Deliberativo, mas a oposição boicotou a reunião e o quórum mínimo de 75% dos conselheiros não foi atingido. Eles cobravam uma análise mais detalhada dos contratos, o que alegam não ter sido permitido no ano passado. Neste ano, formou-se uma comissão com membros das duas chapas para a apreciação dos documentos, que estão disponíveis em um escritório de advocacia.

Um encontro do último domingo, no Morumbi, quando a situação se colocou à disposição para esclarecer dúvidas, tornou-se figurativo na opinião dos oposicionistas. Não está definida a data da nova votação, mas o clube diz que já tem acordo com empresas interessadas em investir na reforma, que foi orçada em R$ 460 milhões e inclui a instalação de uma cobertura e a construção de uma arena para shows atrás de um dos gols. Juvenal não se cansa de dizer que todo o dinheiro será obtido com parcerias.

Jornal Midiamax