A Prefeitura de Campo Grande deve iniciar, após o período eleitoral, o processo de licitação de obras que prometem, quando concluídas, acelerar em até 30% trajetos do transporte coletivo urbano. Os projetos envolvem gastos da ordem de R$ 180 milhões.

O prefeito da Capital, Gilmar Olarte, estima que sejam necessários em torno de dois anos até a implantação total do projeto. Ele envolve a execução do Centro Integrado de Controle de Transporte e Trânsito e obras de mobilidade urbana.

A verba federal para o centro, de R$ 70 milhões, está garantida, disse o prefeito. Em resumo, é um sistema que vai gerenciar, em uma central, todo o sistema do transporte coletivo da cidade e, ainda, pontos estratégicos das principais vias da cidade.

Somado a isso, a Prefeitura tem mais R$ 110 milhões do PAC 2 – Mobilidade Urbana para implantar novos corredores de ônibus. As verbas para os dois projetos já foram garantidas, no entanto pouco tempo antes do início da campanha eleitoral, limitando o município a tocar as licitações.

Olarte diz que a Prefeitura conseguiu licitar, a tempo, 16 lotes de obras de pavimentação, além de outros, que terão os processos iniciados mesmo durante o período eleitoral, por terem sido lançados antes do começo da campanha. Ao todo, serão R$ 311 milhões nesta área.

O prefeito cita estas liberações de recursos entre as principais ações de sua gestão, iniciada em março. Ressalta o apoio do ministro das Cidades, Gilberto Occhi. “Ele disse que sabia da situação política de Campo Grande”, comenta Olarte.