Geral

Com o Dia das Mulheres após o carnaval, movimento das floriculturas deve cair 30%

Amanhã, sábado, é Dia Internacional da Mulher. Pois é, se você também tinha se esquecido disso, não está só: a data especial no fim de uma semana após o carnaval fez muita gente esquecer e, já prevendo isso, até as floriculturas já notam a baixa procura pelas rosas, tradicionalmente quase um símbolo de homenagem às […]

Arquivo Publicado em 07/03/2014, às 15h11

None
1745991291.jpg

Amanhã, sábado, é Dia Internacional da Mulher. Pois é, se você também tinha se esquecido disso, não está só: a data especial no fim de uma semana após o carnaval fez muita gente esquecer e, já prevendo isso, até as floriculturas já notam a baixa procura pelas rosas, tradicionalmente quase um símbolo de homenagem às mulheres.

Na empresa de Eliane Aquino Mendonça, em Campo Grande, a estimativa é de que o movimento fique 30% abaixo do esperado. Nesta sexta-feira até há movimento, diz ela, na maioria empresas em busca de botões de rosa para homenagear suas funcionárias.

“Mas, com certeza, muita gente vai esquecer, por conta do dia da semana e do carnaval. Já esperávamos por isso”, confirma Eliane. Ela conta que as rosas são carro-chefe nesta data e, se a ideia é uma homenagem simples, a opção é o botão de rosa embalado para presente, na faixa de R$ 7. Mas, a homenageada pode até receber um buquê de rosas importadas, cuja dúzia passa dos R$ 100.

“Estamos cauteloso, não sabemos ainda como vai ser”, aponta Rosa Maria Schunke. Na floricultura dela, o movimento de gente em busca de homenagear as mulheres ainda é pequeno.

No entanto, ela avalia que a data vem sendo cada vez mais lembrada ao longo dos anos. “Este ano está meio dormente, por conta do carnaval e por ser em um sábado, mas é um dia que vem sendo bem valorizado”, analisa a comerciante, que pode preparar arranjos especiais com custo acima de R$ 200.

A empresa de Rosa se preparou para movimento dobrado por conta do Dia da Mulher. Na floricultura de Diego Cândido Miranda também há projeções até otimistas, ainda que o movimento esteja aquém do esperado, diz ele. “O movimento nesta data dobra, pelo menos”, comenta.

Jornal Midiamax