Com aromatizante natural, cliente ‘monta’ própria garapa por R$ 4 e pode tomar à vontade

Na Avenida Senador Filinto Müller, pouco antes de chegar à Defurv (Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos), tem a garaparia do “seo” Guilherme. O negócio poderia ser como qualquer outro do estilo se não fossem as invenções do empreendedor. Para alavancar o negócio, ele criou sabores e deixa os ‘aromatizantes’ à disposição do cliente […]
| 05/08/2014
- 21:03
Com aromatizante natural, cliente ‘monta’ própria garapa por R$ 4 e pode tomar à vontade

Na Avenida Senador Filinto Müller, pouco antes de chegar à Defurv (Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos), tem a garaparia do “seo” Guilherme. O negócio poderia ser como qualquer outro do estilo se não fossem as invenções do empreendedor. Para alavancar o negócio, ele criou sabores e deixa os ‘aromatizantes’ à disposição do cliente para provar.

Antonio Guilherme, de 64 anos, sempre trabalhou vendendo coisas. Já fez um pouco de tudo, mas foi vendendo o suco da cana que se encontrou. “Deu certo”, diz, afirmando que antes de fixar a garaparia o negócio era de cocos.

Com boas ideias, o negócio pegou e hoje pelo menos 3 mil pessoas passam pelo local para provar o caldo-de-cana misturado a suco de limão, abacaxi, hortelã ou gengibre. Tudo feito por ele. “Eu bato as frutas e o gengibre e ponho nos garrafões. Aí a pessoa mistura do jeito que gosta”, conta.

O negócio funciona no esquema self-service, além de a pessoa poder preparar a própria bebida, pode se servir à vontade. Quem prefere tomar um copo só, também pode. O preço por dose é de R$ 2,50, já o self-service sai a R$ 4, por pessoa.

Cliente há 9 meses da garaparia, o paulista Tales de Melo, de 46 anos, conta que desde que chegou a Campo Grande frequenta o local. Morador da região, ele diz que a primeira coisa que o conquistou foi a higiene, depois a simpatia do “seo” Guilherme.

“Sempre passava por aqui e via a garaparia. Observei que é tudo limpinho, mas nunca trazia dinheiro e quando eu trazia não o encontrava. Até que um dia parei, conversei com ele e contei essa história, ele confiou em mim e me vendeu fiado. Virei cliente”, conta.

As visitas, agora, acontecem quase que diariamente. Tales conta ir ao local, pelo menos, quatro vezes por semana. A mistura com gengibre e com limão são as preferidas dele.

Últimas notícias