Geral

Cliente compra chocolate com larvas em farmácia de Campo Grande e marca reclama da exposição

Douglas se sente com mãos atadas quanto à acusação contra sua empresa, a Phinus, veiculada na Web. A consumidora Silvana Maciel reclamou neste domingo (16), pela sua página pessoal do Facebook, que adquiriu um chocolate da marca, com estado claro de putrefação, mesmo com o prazo de validade vigente. Segundo fotos publicadas, o produto teria larvas, oferecendo […]

Arquivo Publicado em 17/02/2014, às 20h27

None
339897744.jpg

Douglas se sente com mãos atadas quanto à acusação contra sua empresa, a Phinus, veiculada na Web. A consumidora Silvana Maciel reclamou neste domingo (16), pela sua página pessoal do Facebook, que adquiriu um chocolate da marca, com estado claro de putrefação, mesmo com o prazo de validade vigente. Segundo fotos publicadas, o produto teria larvas, oferecendo riscos a saúde, se ingerido.

“Fui pego de surpresa quando vi na nossa página do Facebook essa reclamação. Tentei entrar em contato com ela, para saber qual era o produto da nossa linha, e o local onde comprou. Minha empresa cumpre todas as determinações da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e quero atendê-la”, diz o proprietário da Phinus, Douglas Pereira.

Douglas pretende conversar com a cliente, mesmo sem ter concordado com a postura de ela  publicar as fotos, que, conforme o proprietário, não teve um contato com o Serviço de Atendimento ao Consumidor da Phinus. O empresário explica que já deixou recado para a cliente, oferecendo um canal de diálogo sobre o problema.

“Pra mim ela foi infeliz,  pois isso prejudica a nossa imagem. Estamos à disposição para  brigar junto com o consumidor quanto a isso, realizar uma devolução, falar com o estabelecimento ou se for uma de nossas produções terceirizadas conversar com o fornecedor”, conta.

A compra

Silvana Maciel, que publicou sobre os supostos produtos em putrefação na Rede Social, disse a reportagem que a compra ocorreu em uma farmácia São Bento, localizada na Avenida Júlio de Castilho. A pedagoda disse que entrará em contato com o fabricante para denunciar sobre o chocolate, que segundo ela, estaria sendo mal armazenado no estabelecimento.

“Comprei lá na farmácia duas unidades. A primeira abri e comi, estava com aparência e cheiro normal. Quando fui comer o segundo chocolate tive a surpresa desagradável. Não sei se por um efeito psicológico durante o domingo e a segunda tive diarreia e náuseas. Um absurdo já que infecção alimentar pode matar”, afirma a consumidora.

Silvana recebeu o dinheiro de volta, depois de muita resistência do gerente, que só cedeu após ela ameaçar que levaria o caso para o Procon-MS. A cliente afirma que vai denunciar o caso para a Vigilância Sanitária Municipal, com o intuito de preservar outras pessoas, e evitar assim o risco de contaminações.

“Olhem como estava o chocolate que comprei. Nojooooo. Comprei na farmácia perto de casa. Fui lá mas não queriam devolver o dinheiro, disseram que teriam que trocar por outro. Falei que iria ao Procon…aí devolveram rapidamente”, relatou, pela Rede Social, a pedagoga.

*Editado às 18h45 de 17 de fevereiro de de 2014 para acréscimo de informações

Jornal Midiamax