Geral

China registra superavit comercial recorde em julho

As exportações da China impulsionaram o superavit comercial da China para um recorde em julho, alimentando o otimismo de que a demanda global ajudará a conter a pressão sobre a economia doméstica do enfraquecimento do setor imobiliário. Embora a indústria pareça ter acelerado na segunda maior economia do mundo, uma fraqueza inesperada no setor de […]

Arquivo Publicado em 08/08/2014, às 10h35

None

As exportações da China impulsionaram o superavit comercial da China para um recorde em julho, alimentando o otimismo de que a demanda global ajudará a conter a pressão sobre a economia doméstica do enfraquecimento do setor imobiliário.

Embora a indústria pareça ter acelerado na segunda maior economia do mundo, uma fraqueza inesperada no setor de serviços nesta semana renovou as preocupações sobre o crescimento. O fraco mercado imobiliário continua sendo o maior risco da China, sendo um peso sobre a economia como um todo e a confiança do investidor.

As exportações saltaram em julho 14,5 por cento ante o ano anterior, ritmo mais rápido em 15 meses, informou nesta sexta-feira a Administração-Geral de Alfândega, dobrando ante 7,2 por cento em junho e superando as expectativas do mercado. As exportações foram mais fortes do que o esperado mesmo após contabilizados dados de exportação inflados no início de 2013, quando empresas falsificaram faturas para driblar controles de capital.

Alguns analistas atribuíram o salto das exportações a embarques atrasados devido à recente volatilidade do iuan que pode não se sustentar. Ao mesmo tempo, as importações caíram 1,6 por cento contra uma alta de 5,5 por cento em junho, deixando o país com superávit comercial recorde de 47,3 bilhões de dólares para o mês.

“Os dados (de exportação) indicam demanda externa bastante forte e menor necessidade de uma moeda fraca”, disse Dariusz Kowalczyk, economista sênior do Credit Agricole.

“Entretanto, as importações caíram 1,6 por cento na base anual, indicando fraca demanda doméstica e pressão para baixo sobre o crescimento. As autoridades devem dar mais suporte à economia doméstica.”

Pesquisa da Reuters projetava alta de 7,5 por cento nas exportações, aumento de três por cento nas importações e superavit comercial de 27 bilhões de dólares.

Jornal Midiamax