Geral

Chefe de gabinete flagrado em comitê com computador de prefeitura é exonerado

Ele foi preso em comitê de campanha política usando computador que pertence a Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Após exoneração, a prisão foi relaxada. Suposto 'dono' do comitê nega envolvimento.

Arquivo Publicado em 27/08/2014, às 19h48

None

Ele foi preso em comitê de campanha política usando computador que pertence a Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Após exoneração, a prisão foi relaxada. Suposto ‘dono’ do comitê nega envolvimento.

A prefeitura de Bonito decidiu exonerar Newton Cirqueira, o Berenga, do cargo de chefe de gabinete. Ele foi preso, na sexta-feira (22), depois de ser flagrado com um computador pertencente ao Poder Público municipal em um comitê de campanha política, e conseguiu a liberdade provisória, com medidas restritivas, na noite de terça-feira (26).

Segundo informações do registro do pedido de liberdade provisória, medidas tomadas pela prefeitura de Bonito foram determinantes para garantir que Berenga fosse solto. Ele foi exonerado do cargo, conforme a Portaria 983/2014, de 26 de agosto, foi suspenso por 30 dias, e o caso será submetido a uma comissão de sindicância.

A juíza Paulinne Simões de Souza Arruda levou em conta a “alteração fática” e acompanhou parecer do Ministério Público, após novo pedido de liberdade feito pela defesa. Conforme a decisão da magistrada, Berenga pode ficar em liberdade desde que não se comunique com as testemunhas do processo, entre outras exigências.

O TJ (Tribunal de Justiça) negou, no sábado (23), que Berenga fosse solto, endossando decisão inicial da juíza de Bonito. À polícia, o agora ex-chefe de gabinete disse, inicialmente, que o computador pertencia ao dono de uma loja de informática local, mas foi desmentido pelo próprio – nomeado perito pelo delegado do caso, o comerciante atestou que a máquina pertencia à Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Ainda não se sabe para que fins o equipamento da prefeitura seria usado na campanha política. Informações nos registros policiais do caso dão conta de que o comitê eleitoral seria de apoio ao deputado estadual Márcio Fernandes (PTdoB), candidato à reeleição e do mesmo partido do prefeito de Bonito, Leonel Lemos de Souza Brito, o Leleco, mas o parlamentar informou, por nota emitida no sábado (23), não ter nenhuma relação com o caso.



Jornal Midiamax