Geral

Celulares a bordo de voo sumido estariam tocando, diz TV

O celular de um passageiro do vôo da Malaysia Airlines teria tocado depois que a família tentou contato com o desaparecido, de acordo com o jornal inglês Daily Mirror. Um vídeo veiculado pela TV estatal chinesa mostra o momento em que a chamada é completada. Contudo, a ligação cai logo em seguida, antes que o […]

Arquivo Publicado em 11/03/2014, às 11h42

None

O celular de um passageiro do vôo da Malaysia Airlines teria tocado depois que a família tentou contato com o desaparecido, de acordo com o jornal inglês Daily Mirror. Um vídeo veiculado pela TV estatal chinesa mostra o momento em que a chamada é completada. Contudo, a ligação cai logo em seguida, antes que o telefone seja atendido.


De acordo com a mídia chinesa, outras famílias tentaram ligar para os parentes desaparecidos e o mesmo aconteceu: os telefones tocaram, mas ninguém atendeu a ligação, o que vem aumentando o suspense em torno do desaparecimento do voo.


Segundo o jornal Washington Post, familiares de outros desaparecidos teriam visto que seus parentes estavam online em uma rede social chamado QQ, no entanto, mensagens enviadas aos passageiros não foram respondidas.


239 pessoas estavam à bordo do avião da Malaysia Airlines que desapareceu cerca de uma hora depois de decolar de Kuala Lumpur para Pequim.


A companhia acrescentou que todas as hipóteses para explicar o desaparecimento do voo estão sendo consideradas, tais como queda e até terrorismo.


Contudo, o chefe da Interpol disse nesta terça-feira que avalia que o desaparecimento do avião da Malaysia Airlines não foi um incidente terrorista. “Quanto mais informações obtemos, mais inclinados estamos a concluir que não se trata de um incidente terrorista”, disse o secretário-geral da Interpol, Ronald Noble. Ele disse ainda que dois passageiros com passaportes iranianos trocaram os documentos em Kuala Lumpur e usaram passaportes italiano e austríaco roubados para embarcar no avião desaparecido.


A operação para localizar a aeronave já entrou no quarto dia e está sendo auxiliada por vários países, como Austrália, China, Tailândia, Indonésia, Cingapura, Vietnã, Filipinas e os Estados Unidos. No total, nove aviões e 24 embarcações estão sendo utilizadas.


A China anunciou nesta terça-feira que irá mobilizar 10 satélites para ajudar nas buscas da aeronave, de acordo com informações da agência Reuters.


O boeing 777 passou por manutenção 12 dias antes do voo MH370, e não foi detectado nenhum problema, segundo a Malaysia Airlines. A próxima inspeção estava marcada para o dia 19 de junho. A empresa afirmou nesta terça-feira que estendeu a busca pelo avião desaparecido desde o último sábado para áreas além da possível trajetória do voo, incluindo algumas terrestres. O foco, segundo a empresa, agora está na região peninsular oeste da Malásia, no estreito de Malaca, uma vez que as autoridades estão considerando a possibilidade de o Boeing 777 ter tentado voltar.

Jornal Midiamax