Geral

Bruno é transferido para a penitenciária de segurança máxima

O goleiro Bruno Fernandes de Souza, condenado pela morte da ex-amante Eliza Samudio, foi transferido nessa sexta-feira (20) para a Penitenciária de Segurança Máxima Francisco Sá, em Minas Gerais. Bruno já estava preso desde julho de 2010 no Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem-MG, na região metropolitana de Belo Horizonte. Bruno deu entrada na unidade […]

Arquivo Publicado em 21/06/2014, às 18h47

None
846305400.jpg


Bruno deu entrada na unidade prisional por volta das 13h horas, após ser escoltado, desde Belo Horizonte, por agentes do Cope (Comando de Operações Especiais) do Sistema Prisional. O goleiro fez cadastro na penitenciária e passou por um primeiro atendimento médico, jurídico e psicológico.

A Suapi (Subsecretaria de Administração Prisional) autorizou a transferência de Bruno após pedido dos advogados do preso, após avaliar questões de segurança e obter a validação também da Justiça.

A Penitenciária de Segurança Máxima Francisco Sá é formada unicamente por celas individuais. A penitenciária possui capacidade para 300 detentos presos e atualmente abriga 323, segundo a Suapi. A transferência de Bruno foi autorizada no dia 10 de junho.

O caso Bruno

Eliza Samudio desapareceu no dia 4 de junho de 2010 após sair do Rio de Janeiro para ir a Minas Gerais a convite de Bruno. Vinte dias depois a polícia recebeu denúncias anônimas de que Eliza havia sido espancada por Bruno e dois amigos dele até a morte no sítio de propriedade do jogador, localizado em Esmeraldas, na Grande Belo Horizonte.

O filho de Eliza, então com quatro meses, teria sido levado pela mulher de Bruno, Dayanne Rodrigues. O menino foi achado posteriormente na casa de uma adolescente no bairro Liberdade, em Ribeirão das Neves.

No dia seguinte, a mulher de Bruno foi presa. Depois de serem considerados foragidos, o goleiro e seu amigo Luiz Henrique Romão, o Macarrão, acusado de participar do crime, se entregaram à polícia. Pouco depois, Flávio Caetano de Araújo, Wemerson Marques de Souza, o Coxinha Elenilson Vitor da Silva e Sérgio Rosa Sales, outro primo de Bruno, também foram presos por envolvimento no crime.

Enquanto a polícia fazia buscas ao corpo de Eliza, um motorista de ônibus denunciou o primo do goleiro como participante do crime. Apreendido, jovem de 17 anos relatou à polícia que a ex-amante de Bruno foi mantida em cativeiro e executada pelo ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Bola, que a estrangulou e esquartejou seu corpo. Ainda segundo o relato, o ex-policial jogou os restos mortais para seus cães.

No dia 30 de julho, a Polícia de Minas Gerais indiciou todos pelo sequestro e morte de Eliza, sendo que Bruno foi apontado como mandante e executor do crime. No início de dezembro, Bruno e Macarrão foram condenados pelo sequestro e agressão a Eliza, em outubro de 2009, pela Justiça do Rio. O goleiro pegou quatro anos e seis meses de prisão.

Em 17 de dezembro, a Justiça mineira decidiu que Bruno, Macarrão, Sérgio Rosa Sales e Bola seriam levados a júri popular por homicídio triplamente qualificado, sendo que o último responderá também por ocultação de cadáver. Dayanne, Fernanda, Elenilson e Wemerson responderiam por sequestro e cárcere privado.

No dia 19 de novembro de 2012, foi dado início ao julgamento de Bruno, Bola, Macarrão, Dayanne e Fernanda. Dois dias depois, após mudanças na defesa do goleiro, o tribunal decidiu desmembrar o processo. O júri condenou Macarrão, a 15 anos de prisão, e Fernanda Gomes de Castro, a cinco anos. No dia 8 de março de 2013, Bruno foi condenado a 22 anos e três meses de prisão, dos quais 17 anos e seis meses terão de ser cumpridos em regime fechado.

Dayanne Rodrigues do Carmo, ex-mulher do goleiro e acusada de ser cúmplice no crime, foi absolvida. O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, que é acusado como autor do homicídio, foi condenado a 22 anos em abril de 2013.



Jornal Midiamax