Geral

Bovespa fecha com alta superior a 2% em dia de forte recuperação

O principal índice da Bovespa subiu mais de 2% nesta terça-feira, em um firme movimento de recuperação, após fechar a semana passada no menor nível desde abril de 2009, com investidores aproveitando certo alívio da tensão em torno da Ucrânia para comprar papéis cujos preços são considerados baixos. Segundo dados preliminares, o Ibovespa subiu 2,29%, […]

Arquivo Publicado em 18/03/2014, às 23h08

None

O principal índice da Bovespa subiu mais de 2% nesta terça-feira, em um firme movimento de recuperação, após fechar a semana passada no menor nível desde abril de 2009, com investidores aproveitando certo alívio da tensão em torno da Ucrânia para comprar papéis cujos preços são considerados baixos.

Segundo dados preliminares, o Ibovespa subiu 2,29%, a 46.150 pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 6,2 bilhões. “O mercado buscou uma correção técnica, voltando para os 46.100 pontos, que é um divisor de águas importante e surgiu antes como forte referência, com a percepção de que pechinchas começam a aparecer”, disse o analista Raphael Figueredo, da Clear Corretora.

As ações preferenciais da Petrobras subiram 3,18% e as da mineradora Vale avançaram 2,12%, guiando o Ibovespa para cima. Passado o vencimento de opções sobre ações da véspera, os papéis das blue chips, carros-chefes do mercado de derivativos, ficaram mais “soltos” para se recuperar, disse o sócio-diretor da AZ Investimentos, Ricardo Zeno.

A Bovespa acompanhou a alta dos mercados internacionais nesta terça-feira, ante perspectiva de menores incertezas em relação à crise da Ucrânia. O presidente russo, Vladimir Putin, disse que a Rússia não quer outra divisão da Ucrânia depois de aprovar planos para a anexação da península da Crimeia.

Os papéis da Rumo Logística, da operadora de telefonia Oi e da processadora de carnes JBS tiveram as valorizações mais expressivas do dia. A Oi foi favorecida pela notícia de que firmou com 14 bancos carta compromisso de garantia firme para a subscrição de suas ações no processo de aumento de capital para a fusão com a Portugal Telecom.

Outro destaque positivo foi a ação da empresa de educação Kroton, que divulgou resultados fortes para o quarto trimestre. Analistas da XP Investimentos chamaram atenção para a manutenção do crescimento da receita em um patamar alto, além de expressivos ganhos de margem. Contudo, apontaram o fato da Kroton ter divulgado resultado muito mais forte que o da Anhanguera, o que abre “espaço para especulações de mudança de ratio (relação de troca de ações) e até cancelamento do deal (fusão)”, que já vêm afetando as ações desta última.

Os papéis da Anhanguera tiveram a maior queda do Ibovespa, de 1,57%. Mas apenas 4 dos 73 ativos componentes do índice fecharam no negativo. Apesar da forte alta desta terça, especialistas se questionavam sobre a consistência do movimento de repique. “Vejo um giro (financeiro) muito fraco e aquém daquilo que poderia mostrar uma sustentação”, disse Figueredo, da Clear Corretora.

Jornal Midiamax