Geral

Baile funk e ‘algazarra’ em casa noturna infernizam a vida de moradores

A casa de shows Empório Santo Antônio é um espaço alternativo para quem gosta de ‘curtir’ o funk em Campo Grande. Só que essa diversão tem tirado o sossego dos moradores do Bairro Santo Antônio, que não conseguem dormir nos fins de semana por causa da ‘algazarra’ no local. A casa noturna já foi palco […]

Arquivo Publicado em 07/06/2014, às 13h07

None
896486293.jpg

A casa de shows Empório Santo Antônio é um espaço alternativo para quem gosta de ‘curtir’ o funk em Campo Grande. Só que essa diversão tem tirado o sossego dos moradores do Bairro Santo Antônio, que não conseguem dormir nos fins de semana por causa da ‘algazarra’ no local.

A casa noturna já foi palco de várias brigas e o som alto e a bagunça dos frequentadores têm irritado os moradores do bairro. De acordo com uma residente, que preferiu não se identificar, todos os fins de semana sai briga e tiros efetuados pelos frequentadores do clube.

A moradora disse que todos os vizinhos já fizeram reclamação para o proprietário e nunca foram atendidos. Ela disse que até a polícia faz ‘vistas grossas’ para o local. “Aqui não adianta chamar a polícia porque eles não vêm mesmo e quando falamos com o dono ele diz que nem adianta reclamar porque tem amigos policiais”, revela.

A mulher alega que está cansada da bagunça de todo fim de semana e que a situação está insuportável. “Chega sexta-feira à noite ninguém consegue mais dormir e se quiser descansar tem que ir para casa de parentes”, reclama.

Outro que reclama da situação é o professor de educação física, que não quis se identificar, que não aguenta mais a bagunça que vem do local. “Eu não sou contra os jovens quererem se divertir, mas acho que tem de ter respeito com os outros. Todo fim de semana é a mesma coisa, briga, som alto e uma galera fumando drogas, aqui é um bairro de família e devia ser respeitado”, reclama.

Os moradores disseram que o problema já se estende há um ano e não sabem mais a quem recorrer em casos como esse. “Já até pensei em vender minha casa porque não aguento mais essa baderna aqui e o que mais indigna é que não tem nenhuma autoridade para nos ajudar”, diz moradora.

A assessoria da Prefeitura disse que vai mandar uma equipe para verificar a sonorização da casa noturna para saber se está dentro das normas e se o clube tem alvará de funcionamento.

Jornal Midiamax