Geral

Ataques de grupo islâmico na Nigéria deixa mortos

Várias pessoas morreram neste domingo em novos ataques do grupo radical islâmico Boko Haram em três cidades do estado de Borno, no noroeste da Nigéria, informaram à Agência Efe moradores das áreas atacadas. Homens armados vestidos com uniformes militares, que chegaram em caminhões, dispararam indiscriminadamente contra os moradores e incendiaram vários edifícios nos municípios d...

Arquivo Publicado em 01/06/2014, às 12h27

None
154167539.jpg

Várias pessoas morreram neste domingo em novos ataques do grupo radical islâmico Boko Haram em três cidades do estado de Borno, no noroeste da Nigéria, informaram à Agência Efe moradores das áreas atacadas.

Homens armados vestidos com uniformes militares, que chegaram em caminhões, dispararam indiscriminadamente contra os moradores e incendiaram vários edifícios nos municípios de Walori, Musari e Nuwari, na região de Gamboru-Ngala, disse Ahmadu Umaru, uma das testemunhas.

“Chegaram, começaram a atirar e então corremos. Não tivemos tempo de levar nada, nem de proteger nossas casas”, disse Umaru, que fugiu para a capital de Borno, Maiduguri, após o ataque.

Umaru afirmou não saber o número de mortes causadas pelos atiradores, mas outras testemunhas disseram que mais de 12 pessoas morreram baleadas.

Essa região do país, que fica perto da fronteira com Camarões, e frequentemente é alvo de ataques contra civis por parte do Boko Haram. Desde janeiro, o grupo terrorista aumentou o número de ações armadas no nordeste da Nigéria, onde se estima que assassinou mais de 2.000 pessoas neste ano.

O Boko Haram – cujo nome significa nas línguas locais “a educação não islâmica é pecado” – sequestrou no dia 14 de abril, em uma escola da cidade de Chibok, também no estado de Borno, mais de 200 meninas, que continuam reféns apesar da crescente pressão internacional por sua libertação.

Na última sexta-feira, em uma de suas ações mais recentes, militantes do grupo atacaram três líderes tradicionais do estado de Borno, um dos quais foi assassinado.

Jornal Midiamax