Geral

‘Alexandrinho’, suspeito de participar da morte de PM, recebe alta e vai para presídio

Assim que saiu da Santa Casa, Alexandrinho foi levado pelo Corpo de Bombeiros, com escolta da PM, para a Depac, onde deveria prestar depoimento, e em seguida foi encaminhado para o presídio

Arquivo Publicado em 17/09/2014, às 18h28

None
567095672.jpg

Assim que saiu da Santa Casa, Alexandrinho foi levado pelo Corpo de Bombeiros, com escolta da PM, para a Depac, onde deveria prestar depoimento, e em seguida foi encaminhado para o presídio

O suspeito de envolvimento na morte do soldado da Polícia Militar Rony Maickon Varoni de Moura da Silva, Alexandre Barreto de Castro, de 19 anos, o “Alexandrinho”, recebeu alta da Santa Casa de Campo Grande, na manhã desta quarta-feira (17), e será levado para presídio da Capital.

Assim que saiu do hospital, Alexandrinho foi levado pelo Corpo de Bombeiros, com escoltada da Polícia Militar, para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro, onde deveria prestar depoimento.

De acordo com a advogada do jovem, Damares da Costa, o depoimento seria por causa de uma arma, que teria sido encontrada com ele no dia em que foi baleado. Como estava muito debilitado, ele foi encaminhado para o presídio e só voltará à delegacia quando estiver melhor.

A advogada afirma que o estado de saúde do cliente é delicado e ele ainda não consegue falar. Sobre a morte do policial, interrogatório será feito através de carta precatória.

Tiroteio

Alexandrinho foi ferido a tiros ao reagir à prisão, no Bairro Nova Lima, em Campo Grande, no dia 26 de julho. No dia 28, ele passou por duas operações na região do tórax, onde houve a retirada do rim e do baço.

Assalto

Alexandre é suspeito de participar do assalto que terminou na morte do policial militar Rony Maickon Varoni de Moura da Silva, no dia 3 de junho, na rotatória do Indubrasil, saída para Aquidauana.

Ele mais três comparsas estariam em duas motocicletas quando abordaram o veículo do PM, um Saveiro, para roubar um malote de uma empresa de bebidas, que era transportado por Rony e um colega, cabo da PM.

Durante as buscas pelos ladrões, a polícia recebeu uma denúncia, quatro dias após o crime, que os suspeitos estariam no Bairro Aero Rancho, região sul de Campo Grande. Ao chegar ao local, eles foram recebidos com tiros. Houve um conflito e um adolescente de 17 anos foi morto.

Houve perseguição de outros dois comparsas que foram presos no dia seguinte, na BR-262, em Guia Lopes da Laguna pela PRF (Polícia Rodoviária Federal), Kelvin Wilian Santa Rosa, de 22 anos, e Rafael Fernandes de Quadros, de 23 anos.

(Colaborou Renata Portela)

Jornal Midiamax