Geral

Agentes Federais paralisam atividades por desvalorização da carreira

Os agentes federais em todo o país voltam a paralisar as atividades no ‘Dia Mundial de Luta contra o Câncer’. Hoje, em frente a cada unidades da PF (Polícia Federal), os policiais vão realizar atos públicos e o velório da Segurança Pública, pois consideram a burocracia e a falta de investimentos os grandes cânceres das […]

Arquivo Publicado em 08/04/2014, às 12h33

None

Os agentes federais em todo o país voltam a paralisar as atividades no ‘Dia Mundial de Luta contra o Câncer’. Hoje, em frente a cada unidades da PF (Polícia Federal), os policiais vão realizar atos públicos e o velório da Segurança Pública, pois consideram a burocracia e a falta de investimentos os grandes cânceres das polícias brasileiras. 

Com caixões, coroas de flores, grandes elefantes brancos infláveis, roupas pretas e gestos de luto, o movimento protesta contra a crise da segurança pública. Segundo os sindicatos, os agentes federais estão desmotivados, pois são frequentes as interferências políticas ou burocráticas nas investigações. Somente no ano passado mais de 115 agentes federais abandonaram a carreira, conforme dados oficiais. 
A Fenapef (Federação Nacional dos Policiais Federais) frisa que já faz cinco anos de congelamento salarial e que nos últimos anos, os agentes federais têm denunciado que seus relatórios investigação e de inteligência não estão chegando aos processos criminais que tramitam no Poder Judiciário. 
Jones Borges Leal, presidente da Federação, afirma que “uma das nossas metas é exigir que os relatórios produzidos pelos agentes federais sempre sejam avaliados pelos juízes, pois muitos processos são arquivados por falta de provas, e corruptos e criminosos ficam impunes, devido às interferências de uma burocracia inútil que existe na Polícia Federal”. 
Segundo Leal, várias unidades especializadas da PF possuem menos da metade do número ideal de investigadores. “Existem núcleos operacionais de delegacias especializadas com dois ou três agentes federais, e isso significa que uma investigação que deveria durar dois meses vai durar dois anos. É um absurdo, pois crimes são prescritos, e os corruptos e o crime organizado comemoram o descaso do governo com a Polícia Federal”. 
Além dos protestos, as entidades sindicais também vão iniciar uma campanha nacional de prevenção ao câncer direcionada a todos os servidores da Polícia Federal, incluindo também os servidores terceirizados.
Jornal Midiamax