Geral

Varejo não espera prorrogação do IPI menor para linha branca e móveis

O setor varejista acredita que o governo federal não prorrogará a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre linha branca e móveis, diante do compromisso com o ajuste fiscal, afirmaram nesta quinta-feira representantes do Instituto para Desenvolvimento do Varejo, após reunião com o ministro da Fazenda, Guido Mantega. A redução do IPI para esses […]

Arquivo Publicado em 27/06/2013, às 16h55

None

O setor varejista acredita que o governo federal não prorrogará a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre linha branca e móveis, diante do compromisso com o ajuste fiscal, afirmaram nesta quinta-feira representantes do Instituto para Desenvolvimento do Varejo, após reunião com o ministro da Fazenda, Guido Mantega.


A redução do IPI para esses produtos –adotada para estimular o consumo e prorrogada várias vezes– é válida até o fim de junho.


“O governo está muito comprometido a fazer ajuste fiscal”, disse a jornalistas a vice-presidente do IDV e presidente da rede de lojas Magazine Luiza, Luiza Trajano, que participou da reunião com Mantega.


O encontro não foi conclusivo, segundo o presidente do IDV e vice-presidente e diretor de Relações com Investidores da Gaurarapes, dona das lojas Riachuelo, Flávio Rocha. “Deve vir uma solução intermediária”, afirmou, sem entrar em detalhes.


Segundo Rocha, o repasse do IPI maior aos preços dos produtos dependerá da alíquota do tributo a ser aplicada. “Se a subida (do IPI) for menor, dá pra segurar (os preços).”


Além do setor varejista, participaram da reunião com o ministro da Fazenda representantes da Abimóvel, da Eletros e da Abipa, interlocutoras dos setores de móveis, eletroeletrônicos e painéis de madeira, respectivamente.


A redução do IPI para linha branca foi implementada em dezembro de 2011 e, desde então, vem sendo prorrogada. No fim do ano passado, o Ministério da Fazenda estipulou a elevação gradual do tributo, para que o benefício acabe em junho, trazendo as alíquotas para seu patamar normal.


A alíquota do IPI sobre fogões, por exemplo, ficou zerada até 31 de janeiro deste ano. A partir daí, foi elevada para 2 por cento até junho, metade dos 4 por cento originais.


PROTESTOS POPULARES


Segundo o IDV, as vendas no varejo brasileiro foram prejudicadas nas últimas duas semanas pelos protestos populares em todo o país, que exigiram o fechamento de lojas. O presidente do IDV estima que as vendas recuaram cerca de 15 por cento no período.

Jornal Midiamax