Geral

Superlotação em estádio causa esmagamento e pânico em jogo entre ABC e Palmeiras

A superlotação do estádio Frasqueirão, em Natal, atrasou a partida entre ABC e Palmeiras neste sábado. O comandante da Polícia Militar confirmou que há mais pessoas do que lugares no estádio e disse que iria averiguar se foram vendidos mais ingressos do que a capacidade suportada, que é de 18 mil lugares. Com as arquibancadas […]

Arquivo Publicado em 05/10/2013, às 18h41

None

A superlotação do estádio Frasqueirão, em Natal, atrasou a partida entre ABC e Palmeiras neste sábado. O comandante da Polícia Militar confirmou que há mais pessoas do que lugares no estádio e disse que iria averiguar se foram vendidos mais ingressos do que a capacidade suportada, que é de 18 mil lugares. Com as arquibancadas lotadas, o vão entre ela e o alambrado ficou lotado de pessoas, criando uma aglomeração.


O tumulto era tanto, que a polícia começou a orientar que os torcedores pulassem o alambrado e viessem para dentro do campo para escapar do pior. Muitos torcedores espremidos no alambrado passaram mal e estavam sufocados. Alguns deles foram retirados aos prantos. Até os árbitros foram falar com os torcedores para tranquilizá-los.


Idosos, crianças, cadeirantes. Ninguém foi poupado do tumulto e do pânico que se instalou no estádio. A expectativa é de que cerca de 15 mil ingressos foram vendidos. A polícia iria apurar se o número correspondia à realidade. “Tomara que o pessoal resolva para que possa começar a partida. É complicado, a gente nunca sabe o que está acontecendo. Tem que ter segurança”, afirmou o volante Wesley.


Os jogadores já estavam no gramado e também mostraram preocupação. A polícia organizou uma espécie de “rota de fuga” para que os torcedores que já estavam no gramado do Frasqueirão pudessem sair. Aos poucos, espaços foram sendo liberados, mas os árbitros ainda não liberaram o jogo.


Roberto Fernandes, técnico do ABC, estava bastante chateado com o ocorrido, mas disse discordar de que foram vendidos mais ingressos do que o estádio suporta. “Tem lugares nas cadeiras ainda”, afirmou à TV Bandeirantes.

Jornal Midiamax