Geral

SAMU completa cinco anos em Três Lagoas

Há cinco anos, mais precisamente, desde o dia 29 de junho de 2008, quando era prefeita a hoje vice-governadora de Mato Grosso do Sul, Simone Tebet, a população de Três Lagoas possui um atendimento padrão especializado de socorro imediato a todas as pessoas, nas mais variadas situações de emergência e urgência. Estamos nos referindo ao […]

Arquivo Publicado em 04/07/2013, às 16h10

None
1035390890.jpg

Há cinco anos, mais precisamente, desde o dia 29 de junho de 2008, quando era prefeita a hoje vice-governadora de Mato Grosso do Sul, Simone Tebet, a população de Três Lagoas possui um atendimento padrão especializado de socorro imediato a todas as pessoas, nas mais variadas situações de emergência e urgência.


Estamos nos referindo ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), constituído por uma equipe multiprofissional, que há cinco anos, dia e noite, vem trabalhando em prol da população de Três Lagoas, com um único e concentrado objetivo: salvar vidas.


Esse atendimento, até essa data, era concentrado e quase apenas restrito ao Corpo de Bombeiros, que servia à população nas mais variadas ocorrências, principalmente, no imediato e ágil socorro às vítimas de trânsito, por meio de uma valorosa e dedicada equipe da Unidade Móvel de Resgate (UR).


“A equipe de socorro do nosso valioso e heroico Corpo de Bombeiros, apesar das inúmeras dificuldades estruturais que já foram solucionadas, como falta de viaturas apropriadas, problemas de manutenção, sempre teve como prioridade o atendimento à nossa população”, lembrou a secretária de Saúde de Três Lagoas, Eliane Brilhante.


“Apesar das dificuldades, as vítimas, notadamente, as de acidentes de trânsito, sempre foram prontamente atendidas pelos Bombeiros”, completou.


Nos dias de hoje, o Corpo de Bombeiros, quando se faz necessário, continua sendo importante parceiro do Samu e, em variadas situações de socorro às vítimas, é imprescindível essa parceria.


“São serviços diferentes de socorro, em situações de emergência e urgência, mas que se completam e se ajudam mutuamente, quando se faz necessário”, explicou Eliane Brilhante.


Nos últimos cinco anos, “a presença e o trabalho do Samu fizeram muita diferença para a rapidez e qualidade do atendimento à população de Três Lagoas. Digo isso pela quantidade de pessoas que não tinham chance de sobreviver e foram salvas a tempo pelos profissionais do Samu”, comentou o coordenador de Urgência e Emergência da Secretaria Municipal de Saúde, Marlúcio Moura.


EQUIPE


A eficiência e os serviços do Samu não se limitam apenas às caracterizadas ambulâncias que percorrem nossas ruas e avenidas para atendimento à população, quando solicitado pelo telefone de emergência 192, mas é resultado de uma equipe multiprofissional, devidamente preparada e que passa por constantes e periódicos cursos de capacitação.


Essa equipe, que trabalha em regime de plantão de 12 horas e envolve ações específicas a cada função, é formada por 18 médicos, 12 condutores socorristas, 6 técnicos de enfermagem, 7 enfermeiros, 7 rádio operadores para contato com a equipe e 8 técnicos de regulação, que atendem às ligações telefônicas. São eles que anotam endereço, nome das pessoas, telefone e demais informações básicas para mobilização da equipe e procedimentos iniciais e, se for necessário, entra também em ação o médico regulador, já por telefone.


Em situações específicas, cabe ao médico regulador as orientações básicas e iniciais, tanto às vítimas ou pessoal no local da ocorrência, como também à equipe, enquanto se desloca na ambulância para o atendimento.


São dois tipos de ambulância, cada uma equipada com pessoal e equipamentos condizentes com a gravidade da ocorrência a ser atendida. Para tanto, a equipe do Samu possui a ambulância de Unidade de Saúde Avançada (USA) e a de Unidade de Saúde Básica (USB) para atendimento aos mais variados tipos de acidentes com vítimas.


Por plantão, o Samu conta com dois médicos, três condutores socorristas, dois técnicos de enfermagem, dois enfermeiros, dois rádio operadores e dois técnicos de regulação.

Jornal Midiamax