Geral

Presidente da Petrobras vê possíveis reajustes de combustíveis em 2014

Os preços da gasolina poderão subir em 2014 com a aplicação da metodologia elaborada pela Petrobras para os reajustes de preços de combustíveis no País, disse a presidente da estatal Maria das Graças Foster em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo. Questionada sobre novos aumentos em 2014, ano eleitoral em que o tema inflação […]

Arquivo Publicado em 08/12/2013, às 14h08

None

Os preços da gasolina poderão subir em 2014 com a aplicação da metodologia elaborada pela Petrobras para os reajustes de preços de combustíveis no País, disse a presidente da estatal Maria das Graças Foster em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.


Questionada sobre novos aumentos em 2014, ano eleitoral em que o tema inflação centraliza os debates, a presidente da estatal, afirmou que os reajustes poderão ocorrer. “É possível, pela metodologia, que nós possamos praticar novos aumentos”, disse ao jornal.


A presidente disse que nunca houve planos para reajustes automáticos nos preços dos combustíveis, acrescentando que a decisão “passa pelo poder discricionário da diretoria da Petrobras”. A Petrobras reajustou os preços da gasolina em 4% e do diesel em 8% no final de novembro, já em linha com os princípios de uma nova política de preços da estatal.


A nova metodologia, é mantida em sigilo por decisão da companhia, após ponderação do Conselho de Administração de que nenhuma outra fórmula de precificação é levada ao mercado, disse ela. “Não havia de fato a previsão de levar detalhes da metodologia, nem na sua versão inicial”, argumentou.


No primeiro dia útil após o anúncio do reajuste, as ações da Petrobras despencaram 10%, puxando o principal índice da Bovespa, em meio à avaliação negativa de analistas que criticaram a falta de transparência sobre a metodologia.


Graça Foster reconheceu que a forte queda das ações foi muito ruim para a companhia, e acrescentou que “é preciso tempo para explicar e quantificar os efeitos da metodologia”. A executiva disse que houve “intensa discussão” para a definição do reajuste, e negou notícias sobre brigas ou embates entre ela e o ministro da Fazenda e presidente do Conselho da estatal, Guido Mantega, sobre a questão. “Briga, embate, eu não confirmo de forma alguma”, disse. “Não é uma discussão trivial. Mas queda de braço não houve.”

Jornal Midiamax