Geral

Óculos Google e relógio Apple: ficção se tornou realidade

Poucas coisas remetem tanto à ficção científica quanto computadores que usamos no corpo como acessórios ou peças de roupa. O comunicador de pulso, o visor que traz dados sobre o ambiente e a jaqueta conectada são alguns dos itens que já vimos em filmes, livros e quadrinhos. Agora, depois de décadas ajudando viajantes do espaço […]

Arquivo Publicado em 30/03/2013, às 17h59

None

Poucas coisas remetem tanto à ficção científica quanto computadores que usamos no corpo como acessórios ou peças de roupa. O comunicador de pulso, o visor que traz dados sobre o ambiente e a jaqueta conectada são alguns dos itens que já vimos em filmes, livros e quadrinhos. Agora, depois de décadas ajudando viajantes do espaço e heróis do futuro, a tecnologia de vestir chegou à realidade.

Muita coisa indica que 2013 será um ano decisivo para os chamados vestíveis (“wearables”, em inglês). Muito por causa de um aparelho que, sem previsão de lançamento, já é o mais comentado do ano. Não é nenhum smartphone ou tablet, que já são papo antigo, mas os óculos do Google, batizados de Project Glass. É uma armação conectada que acessa a internet, faz chamadas, envia mensagens, mostra mapas – tudo que um smartphone faz. As informações flutuam diante dos olhos.

O Google comenta pouco. A reportagem teve negado pedido de entrevista sobre o assunto. Alguns poucos jornalistas estrangeiros puderam experimentar a peça e o projeto já foi aberto para desenvolvedores – os primeiros aplicativos já foram anunciados.

Além do Google, anda forte o boato de que a Apple pretende lançar um relógio “smart”. A empresa registrou a patente de um dispositivo para pulso com tela flexível e que teria as funções de um smartphone.

Previsivelmente, a Samsung logo apareceu dizendo que trabalha num projeto similar. “Estamos preparando produtos para o futuro e um relógio inteligente é um deles”, declarou um executivo da empresa. Na semana passada ainda surgiram novos rumores sobre relógios inteligentes da LG e do próprio Google.

Linha de produção

Saindo dos holofotes das grandes e olhando um pouco abaixo da superfície, há um cenário cheio de empresas médias, startups e projetos no Kickstarter relacionados ao desenvolvimento de peças e acessórios inteligentes para o corpo. São braçadeiras que funcionam como sensores de movimento, anéis que substituem o controle do videogame ou apetrechos que monitoram dados biométricos (aliás, dispositivos que fazem medições de indicadores de saúde são o tipo de vestível mais comum no mercado).

“A nova era está começando a decolar”, disse à reportagem Becky Stern, responsável pela área na Adafruit, empresa americana de hardware livre. “Agora é possível fabricar muitos dos aparelhos que construímos toscamente nas nossas garagens e faculdades nos últimos dez anos.”

A Adafruit lançou o Flora, um dispositivo baseado na plataforma aberta Arduino que pode ser incorporado em tecidos e usado para inúmeros fins. O Flora tem menos de 5 cm de diâmetro e uma entrada USB. “Publicamos tutoriais para uma jaqueta GPS que acende em uma localização geográfica específica e uma mochila com luz de freio que ilumina quando percebe que o usuário reduz o ritmo”, diz Becky.

O americano Jeff Rowberg é outro exemplo de pequeno empreendedor que aposta na área. Ele bateu a meta de financiamento no Kickstarter para uma luva inteligente chamada Keyglove. “O Google Glass é um produto fascinante e acredito que vai encorajar muita gente a explorar a computação vestível”, diz.

A luva de Jeff tem Bluetooth e serve para ações baseadas em toque e movimento. Pode ser usada em games, arte e composição musical, por exemplo. O produto ainda passa por ajustes, o que retardou seu lançamento comercial. E quando chegar essa hora a luva terá de ser “útil e estilosa, combinação necessária para qualquer coisa que pretende ser usada pelo público em geral”.

A explosão da conectividade é o grande impulso por trás do avanço dos vestíveis. “Tudo que está acontecendo, onde o que era ficção científica vira parte do mundo real, teve ajuda da popularização dos smartphones”, diz Joanna Berzowska, pesquisadora canadense que trabalha com tecidos eletrônicos e computação vestível desde os anos 90. “Por anos, no Media Lab, do MIT (Massachussetts Institute of Technology, onde ela se formou e trabalhou), sabíamos que os vestíveis só seriam viáveis comercialmente quando a conectividade fosse ampliada”, disse em entrevista via Skype.

A pesquisadora Luisa Paraguai, acadêmica e artista pioneira nessa área no Brasil, acredita que os vestíveis são um caminho sem volta. E ressalta que essa tecnologia tende a ser cada vez menos notada. “Vamos usá-la sem saber que estamos usando.”

O americano Stephen Lake, CEO da Thalmic Labs, fabricante da braçadeira MYO, que traduz movimentos musculares no computador, diz que essa discrição é fundamental para o sucesso de um item vestível. “Achamos que a tecnologia deve agir quase que como uma extensão de nós. Temos de pensar em fatores sociais, conforto e moda.”

Há fatores bem menos agradáveis a se pensar também, e eles remetem às ficções mais distópicas como 1984. O que será feito com as novas informações que essas tecnologias vão acumular? Joanna, que vê nos óculos do Google um potencial “Facebook vestível”, se preocupa: “Quando você entrar no shopping e olhar para uma loja, isso será registrado”. Luisa também vê a questão como delicada: “Temos de ter essa crítica. Não sabemos o que será feito com esses novos dados”.

Jornal Midiamax