Geral

“O futuro pertence ao socialismo”, diz filha de Carlos Prestes em entrevista a rádio de MS

A historiadora Anita Leucádia Prestes, 77 anos, esteve em Dourados – distante a 225 km de Campo Grande, na última sexta-feira (06), apresentando uma palestra sobre as discrepâncias entre a história real e a oficial sobre a memória de seu pai, o militante socialista Luiz Carlos Prestes (1898-1990). Sua presença foi um convite da comissão organizadora […]

Arquivo Publicado em 08/12/2013, às 21h56

None

A historiadora Anita Leucádia Prestes, 77 anos, esteve em Dourados – distante a 225 km de Campo Grande, na última sexta-feira (06), apresentando uma palestra sobre as discrepâncias entre a história real e a oficial sobre a memória de seu pai, o militante socialista Luiz Carlos Prestes (1898-1990). Sua presença foi um convite da comissão organizadora da semana acadêmica do curso de história da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados).

A pesquisadora é professora no curso de história da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e pesquisadora do CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Anita nasceu em 1936, em uma prisão de Berlim, na Alemanha. Sua mãe, Olga Benário Prestes (1908-1942), havia sido deportada para seu país de origem, onde era prisioneira política por ser de origem judaica e contrária ao nazismo de Hitler. Em 1942 Olga foi executada em um campo de concentração.

Através de uma imensa campanha internacional a família conseguiu reaver a criança e Anita passou a morar com a avó no Brasil. A história dos Prestes se tornou mais conhecida para as novas gerações em 2004, quando o filme ‘Olga’, de Fernando Morais, foi lançado no Brasil.

Em entrevista à 94FM, Anita falou que existe muita falsificação e deturpação na história que muitos brasileiros ouviram sobre Luiz Carlos Prestes. A historiadora afirma que as distorções foram geradas pelas classes dominantes, que sempre viram seu pai como um inimigo do grande capital. Ela conta que por muitos anos Prestes foi colocado como um vilão na história do país, já que, segundo ela, a história oficial apenas atende aos interesses de quem está no poder.

Ao divulgar a história real, Anita fala também do legado de Prestes para a sociedade brasileira. Ela conta que apesar de não ter conseguido implantar o socialismo no Brasil, o pai deixou enraizado na consciência nacional o espírito da mobilização social e a necessidade do surgimento de lideranças não corrompidas para guiarem a nação nos trilhos de um futuro melhor.

O fim do capitalismo

A pesquisadora acredita que o capitalismo é um sistema econômico com os dias contados, mas garante que ainda deve durar um bom tempo, porém, quando entrar em colapso definitivo deverá ser substituído pelo socialismo. “A formação econômica capitalista se move por conflitos e contradições que devem se aguçar cada vez mais. E quanto mais desenvolvido o capitalismo maior é a corrupção”, complementou.

A maior mazela do capitalismo, conforme Anita, é o fato de produzir riqueza para alguns poucos, as custas da miséria de muitos. Sendo assim, a crescente e inevitável desigualmente social é que futuramente irá decretar a morte do sistema.

Ela fala ainda que, segundo Fidel Castro, o socialismo não tem receita, não há um manual detalhando perfeitamente como deve ser implantando, por isso, houve tantos erros na tentativa de se criar uma sociedade igualitária. “Mas ao contrário do capitalismo que existe há séculos, o socialismo ainda não completou 100 anos, então ainda tem muito o que amadurecer. Por isso afirmo que o futuro pertence ao socialismo”, explicou.

Sobre o Brasil, ela explica que a corrupção é um grande problema, contudo, não é o maior vilão da economia tupiniquim. “Hoje em dia ninguém mais fala da sangria da economia brasileira, através da remessa de lucros para o exterior das empresas multinacionais imperialistas. No passado, o ex-presidente João Goulart criou uma lei que limitava a evasão de divisas, mas isso infelizmente contribuiu com a sua queda no golpe militar de 1964”, acrescentou.

Cuba

Questionada sobre o evidente declínio do socialismo no mundo desde o fim da União Soviética em 1991, Anita explica que atualmente o ideal da sociedade igualitária ainda sobrevive apenas em Cuba, onde os irmãos Castro lutam contra o sistema para manter o sonho vivo. Sobre a polêmica Coréia do Norte a pesquisadora preferiu não comentar.

Anita é honesta ao relatar que Cuba possui mazelas, a maioria delas geradas por uma série de fatores desfavoráveis à ilha. “Primeiramente devemos lembrar que Cuba é um país pobre, com poucos recursos naturais. Praticamente o único minério encontrado no país é o níquel. Outro problema é a proximidade com os Estados Unidos e o embargo econômico internacional que há 50 anos prejudica a economia cubana”, disse.

Movimentos Sociais

A pesquisadora também comentou os movimentos sociais que agitaram o Brasil em 2013. Conforme Anita, as manifestações somente ocorrem quando há ambiente favorável, ou seja, insatisfação, que no período em questão foi motivada pelas deficiências do transporte público, que carece de melhor qualidade e menor custo.

Anita salientou que o maior problema do movimento foi a descentralização, a falta de liderança e de um projeto bem elaborado e viável para a implantação das mudanças. Ela conta que as ações tiveram legitimidade, mas foram apenas o primeiro passo.

Apesar da desorganização, Anita afirma que os manifestantes obtiveram êxitos, mas poderia ter sido melhor. Conforme a entrevistada, líderes não se criam, eles surgem e, por este motivo, ela acredita que as próximas manifestações serão menos desordenadas.

Para a historiadora, alcançar todas as mudanças desejadas necessita da elaboração de um projeto sério, completo e, principalmente, viável. Para atingir este patamar ela ressalta que a mobilização social deve ser guiada por pessoas que conheçam a realidade brasileira e tenham uma boa base teórica para compreender todas as variáveis e dificuldades da sociedade, tudo com mais racionalização e menos utopia.

Mídias Sociais

Ao falar da participação das mídias sociais nos últimos movimentos, Anita adverte que a ferramenta é uma faca de dois gumes, pois ao menos tempo que serve para difundir de forma rápida as reivindicações, também pode resultar em comodismo, ao gerar manifestantes que não vão às ruas, por acreditaram que apenas postagens na internet possam mudar o mundo

Livros

Anita já escreveu 11 livros sobre a história e o legado de seus pais, o último deles, ‘Luiz Carlos Prestes – O combate por um partido revolucionário (1958-1990)’, foi lançado em Dourados durante o encerramento da semana acadêmica de história na última sexta-feira (06). A autora contou à redação da 94FM, que Dourados é a 32ª cidade a receber o lançamento da obra, distribuída pela editora Expressão Popular.

Jornal Midiamax