Geral

Movimento em rodovias de MS ainda é fraco às vésperas do feriadão do Natal

A quatro dias do Natal, o movimento das rodovias em Mato Grosso do Sul ainda é considerado fraco. Nesta época do ano o fluxo de veículos aumenta com o deslocamento das pessoas em decorrência das festividades. No entanto, neste ano, o Natal cai na quarta-feira, “quebrando” o feriado prolongado. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), […]

Arquivo Publicado em 21/12/2013, às 11h36

None

A quatro dias do Natal, o movimento das rodovias em Mato Grosso do Sul ainda é considerado fraco. Nesta época do ano o fluxo de veículos aumenta com o deslocamento das pessoas em decorrência das festividades. No entanto, neste ano, o Natal cai na quarta-feira, “quebrando” o feriado prolongado.


Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), de ontem para hoje não foi registrado nenhum acidente nas rodovias federais no Estado. O último grave foi na manhã de ontem, na BR-163, próximo a Coxim onde morreram Roseli Silvano Paiva, de 38 anos, e D.S.P., de 12 anos, e A.S.P., de 7 anos. O condutor, Aurélio Aparecido de Paiva, de 40 anos, morreu a caminho da Santa Casa, em Campo Grande.


Acidente


Na manhã de ontem (20) o casal, Roseli Silvano Paiva, de 38 anos e Aurélio Aparecido de Paiva, de 40 anos, seguiam viagem com os filhos D.S.P., de 12 anos e A.S.P. de 7 anos, quando se envolveram num grave acidente próximo a ponte do Riacho Claro, na BR-163, em Rio Verde.


Paiva conduzia um Chevrolet Blazer, placas JZY-2086 de Juscimeira-MT, quando perdeu o controle do veículo, rodou na pista e acabou sendo atingido  por um caminhão baú, placas HTP-7914 de São Gabriel do Oeste-MS, conduzido por Leandro Ferreira de Brites, de 32 anos, que saiu ileso do acidente.


Com o impacto, o veículo foi parar às margens da pista contrária e pegou fogo em seguida. Populares que passavam pelo local conseguiram retirar Paiva e Roseli, mas não houve tempo de retirar as crianças que estavam no banco traseiro do veículo. Roseli que estava grávida de dois 2 meses morreu com o impacto.


As posições das crianças indicam que elas tentaram sair do carro, mas, infelizmente, não conseguiram e morreram carbonizados.


No local, Brites relatou que as portas do caminhão travaram e ele não conseguiu sair para ajudar a família. Em estado de choque, o motorista não se conformava de ter assistido a tragédia, acompanhado de seu ajudante, Rodrigo Nunes, de 18 anos, sem poder ajudar.

Jornal Midiamax