Geral

Julgamento de Mursi é suspenso porque líder se nega a usar uniforme

O tribunal levantou nesta segunda-feira a sessão do julgamento do deposto presidente egípcio Mohammed Mursi depois que o processado se negou a vestir o uniforme de acusado como lhe pedia o juiz e se declarou o presidente legítimo. Segundo informou a TV estatal egípcia, a corte decidiu que a sessão será retomada quando Mursi aceitar […]

Arquivo Publicado em 04/11/2013, às 12h56

None

O tribunal levantou nesta segunda-feira a sessão do julgamento do deposto presidente egípcio Mohammed Mursi depois que o processado se negou a vestir o uniforme de acusado como lhe pedia o juiz e se declarou o presidente legítimo.

Segundo informou a TV estatal egípcia, a corte decidiu que a sessão será retomada quando Mursi aceitar usar o uniforme, um traje branco.

Outros 14 dirigentes da Irmandade Muçulmana estão sendo processados com Mursi por seu suposto envolvimento na morte de manifestantes e nos incidentes suscitados nos arredores do palácio presidencial de Itihadiya no último 5 de dezembro.

A confraria explicou em seu site que Mursi ficou sorridente durante a audiência, se negou a mudar sua vestimenta e insistiu que é o presidente legítimo do Egito.

Durante os julgamentos, os acusados usam um traje branco, enquanto os que já foram condenados vão de azul.

Um dos processados, o membro da Executiva da Irmandade, Mohammed Beltagui, gritou na sala: “abaixo o regime militar”.

A esse grito se somaram o do restante dos acusados, que também fizeram com a mão erguida o símbolo dos protestos islamitas, segundo a Al Jazeera.

O tribunal encarregado do caso é a Corte Penal do Cairo, presidida pelo juiz Ahmed Sabri, e o processo se desenrola na Academia da Polícia, nos arredores do Cairo, por motivos de segurança.

Jornal Midiamax