Geral

Julgamento de ex-presidente Mursi começa com protestos no Egito

O presidente deposto do Egito Mohamed Mursi começou a ser julgado nesta segunda-feira (4) por “incitação ao assassinato” de sete manifestantes em frente ao palácio presidencial. Manifestantes pró-Mursi protestam enfrente ao local do julgamento. Mursi é processado junto com outros 14 dirigentes da Irmandade Muçulmana –organização islâmica da qual faz parte o ex-presidente– pelos ...

Arquivo Publicado em 04/11/2013, às 12h14

None

O presidente deposto do Egito Mohamed Mursi começou a ser julgado nesta segunda-feira (4) por “incitação ao assassinato” de sete manifestantes em frente ao palácio presidencial. Manifestantes pró-Mursi protestam enfrente ao local do julgamento.


Mursi é processado junto com outros 14 dirigentes da Irmandade Muçulmana –organização islâmica da qual faz parte o ex-presidente– pelos incidentes ocorridos nos arredores do palácio presidencial de Itihadiya em 5 de dezembro de 2012.


Caso seja considerado culpado, Mursi pode ser condenado à pena de morte ou prisão perpétua.


O primeiro chefe de Estado eleito democraticamente no Egito, que ficou apenas um ano no poder, foi mantido em detenção pelo exército em um local secreto desde sua destituição, em 3 de julho.


Mursi foi levado de helicóptero até o local do julgamento, a Academia de Polícia, ao lado da penitenciária de Tora, nos arredores do Cairo, onde estão detidos os principais líderes da Irmandade Muçulmana.


o movimento islamita de Mursi que foi duramente reprimido pelas novas autoridades militares após o golpe de Estado de 3 de julho.

Protestos


A polícia egípcia jogou gás lacrimogêneo contra centenas de partidários de Mursi reunidos em frente à sede do tribunal que o julga.


Fontes de segurança no local informaram à agência de notícias Efe que as forças de segurança usaram o gás para dispersar os manifestantes que impediam a passagem na entrada da Academia da Polícia.


Um total de 20 mil soldados da polícia e das Forças Armadas foram deslocados para os arredores do tribunal, diante do temor de que os protestos convocados pelos partidários de Mursi derivem em distúrbios.

Kerry visita o Egito


No domingo (3), em visita ao Egito, o secretário de Estado americano, John Kerry, pediu eleições livres e justas no país.


Kerry se reuniu com o presidente interino, Adly Mansur, e com novo líder do país, o chefe do Exército, general Abdel Fattah al-Sissi, para analisar os planos de transição dos militares, que preveem um referendo sobre uma nova Constituição – que está sendo redigida – e eleições legislativas e presidenciais antes de meados de 2014.


O secretário de Estado pediu às autoridades egípcias eleições livres, justas e que incluam todas as partes”, enquanto prossegue uma repressão sangrenta à Irmandade Muçulmana, confraria à qual Mursi pertence.


“Ele insistiu ainda sobre o fato de que o estado de emergência, que expira em 14 de novembro, não deve ser prorrogado”, declarou à imprensa um funcionário do departamento de Estado que viaja com Kerry.


O secretário de Estado destacou que “a repressão em curso é inapropriada” e que as autoridades egípcias devem “estender a mão à Irmandade Muçulmana e a outros” grupos que apoiam Mursi.


Kerry apelou ainda às autoridades para que protejam os direitos humanos e as liberdades.


O secretário de Estado chegou ao Cairo na véspera do julgamento de Mursi, com o objetivo de fortalecer os laços entre Washington e Egito, aliados de longa data, mas em crise desde o golpe contra o primeiro presidente democraticamente eleito e a repressão a seus partidários.


“Nos comprometemos a trabalhar em conjunto e continuar nossa cooperação com o governo interino”, declarou Kerry aos jornalistas. “Os Estados Unidos são amigos dos egípcios e do Egito, e somos parceiros”.


Desde o golpe militar, Washington congelou parcialmente a sua ajuda, exacerbando a “fase crítica” em suas relações bilaterais, segundo a diplomacia egípcia.


Os Estados Unidos apoiaram durante três décadas a presidência do predecessor de Mursi – Hosni Mubarak, derrubado por uma revolta popular no início de 2011 – fazendo do país árabe mais populoso seu grande aliado para tentar manter a estabilidade na região.

Jornal Midiamax