Geral

Indígenas bolivianos apedrejam embaixada francesa e queimam bandeiras da UE

Indígenas partidários do presidente da Bolívia, Evo Morales, queimaram nesta quarta-feira as bandeiras da França e da União Europeia (UE) em La Paz às portas da embaixada francesa, que também foi apedrejada e bloqueada com pedras, constatou a Agência Efe. Os indígenas do grupo dos Ponchos Vermelhos, que são aimaras como o presidente Morales, protestaram […]

Arquivo Publicado em 03/07/2013, às 18h01

None

Indígenas partidários do presidente da Bolívia, Evo Morales, queimaram nesta quarta-feira as bandeiras da França e da União Europeia (UE) em La Paz às portas da embaixada francesa, que também foi apedrejada e bloqueada com pedras, constatou a Agência Efe.


Os indígenas do grupo dos Ponchos Vermelhos, que são aimaras como o presidente Morales, protestaram contra a França, acusada pelo governo boliviano de ter posto em risco a vida do líder ao vetar o sobrevoo e aterrissagem do avião presidencial em seu território nesta terça-feira.


O grupo de manifestantes retirou as bandeiras das portas da embaixada francesa, situada na zona sul de La Paz, e as queimou em meio a insultos dirigidos a vários países europeus, a quem acusaram aos gritos de “racistas” e “colonialistas”.


Os índios também bloquearam com lajes a entrada da legação como represália, segundo disseram os dirigentes indígenas, a que Morales ontem também fora “bloqueado” para circular pelos céus da Europa.


Vários vidros da embaixada foram quebrados pelas pedradas dos manifestantes.


“França fora da Bolívia”, “França hipócrita colonialista, fora da Bolívia” e “França racista, hipócrita e fascista”, “Bolívia se respeita” e “Propriedade dos Ponchos Vermelhos”, eram alguns dos cartazes que colaram no exterior da embaixada os leais ao líder.


Os indígenas também criticaram Itália, Espanha e Portugal, países que o governo boliviano também acusou nas passadas horas de haver posto impedimentos à itinerário de voo de Morales.


Os incidentes diante da legação francesa duraram uns minutos, embora desde ontem à noite vários os setores sociais que foram alvo de protestos, e anunciam que as mobilizações continuarão nas próximas horas.


Uma tropa policial foi enviada à embaixada francesa mas não conseguiu evitar os ataques às instalações, informaram à Efe fontes policiais.


Horas antes o vice-presidente boliviano, Álvaro García Linera, anunciou que os embaixadores da França, Michel Pinard, e da Itália, Luigi De Chiara, e o cônsul de Portugal serão convocados à Chancelaria para dar explicações sobre o que aconteceu ontem à noite.

Jornal Midiamax