Geral

Fizemos para deixar as amigas ‘p. da vida’, diz criador do falso app ‘Tubby’

O programador Rafael Fidelis, funcionário de uma agência de publicidade em São Paulo e um dos criadores do “Tubby”, afirmou em entrevista que não esperava que o caso fosse ter tanta repercussão – proibição na Justiça inclusa – e que a ideia inicial era “polemizar” e “deixar as amigas p. da vida”. “O Guilherme [Salles, […]

Arquivo Publicado em 07/12/2013, às 14h35

None
1826872321.jpg

O programador Rafael Fidelis, funcionário de uma agência de publicidade em São Paulo e um dos criadores do “Tubby”, afirmou em entrevista que não esperava que o caso fosse ter tanta repercussão – proibição na Justiça inclusa – e que a ideia inicial era “polemizar” e “deixar as amigas p. da vida”.


“O Guilherme [Salles, segundo idealizador do ‘Tubby’] me ligou de madrugada uns 10 dias atrás e falou do ‘Lulu'”, disse Fidelis por telefone. “A gente não curtiu. É escroto ficar ranqueando e classificando as pessoas”.


Anunciado no fim de novembro como um aplicativo, no entanto, o “Tubby” prometia uma “vingança virtual” àqueles que se sentiram ofendidos pelas avaliações feitas no “Lulu”, app exclusivo para mulheres classificarem homens e seus relacionamentos com eles.


A proposta do “Tubby” gerou revolta do público feminino, que taxou a ideia do app como extremamente machista e violenta. Na quarta-feira (4), a 15ª Vara Criminal de Belo Horizonte (MG) acatou o pedido de sete coletivos em defesa da mulher e proibiu a disponibilização do “Tubby” em todo o Brasil.


Na sexta-feira (6), dia marcado para o lançamento do aplicativo após um primeiro adiamento, Fidelis e Salles declararam que nunca existiu um app do “Tubby” e que, na verdade, o objetivo da dupla era fazer uma campanha pela conscientização dos riscos da violação de intimidade.

Jornal Midiamax