Geral

Famílias invadem terreno no Jardim Hortência e reclamam da distribuição de casas populares

Cerca de 283 famílias estão ocupando desde sábado (19), um terreno da Prefeitura de Campo Grande no Jardim das Hortências. Os ocupantes afirmam que a invasão é um protesto contra a falta de critérios na distribuição de casas populares pela Agehab (Agência Estadual de Habitação) e que só deixarão o local com ordem judicial. Cristiane […]

Arquivo Publicado em 21/01/2013, às 15h28

None
234206833.jpg

Cerca de 283 famílias estão ocupando desde sábado (19), um terreno da Prefeitura de Campo Grande no Jardim das Hortências. Os ocupantes afirmam que a invasão é um protesto contra a falta de critérios na distribuição de casas populares pela Agehab (Agência Estadual de Habitação) e que só deixarão o local com ordem judicial.


Cristiane da Silva Martins, 29 anos, está no local com o marido e os dois filhos, ela contou que se inscreveu no programa de casas populares há sete anos e até hoje não conseguiu o imóvel e, por isso, aderiu à invasão. “Conheço gente que em uma semana consegue pegar as casas. No residencial Ramez Tebet, por exemplo, tem mais de 100 casas vazias que poderiam ser repassadas, mas ninguém faz nada. Não tem critério”, comentou.


O pedreiro Henrique Assunção Ortiz, 28 anos, foi com a família para o terreno no fim de semana. O irmão dele chegou hoje e também já está montando barroco para ficar no local. “Há o favorecimento de alguns por parte da Agehab no sorteio das casas. Tem que priorizar os mais antigos, eu estou na fila há quatro anos e conheço pessoas que conseguiram com dois dias inscritos”, afirmou.


As famílias afirmam que temem confronto com os policiais, que já informaram que a desocupação do terreno deve acontecer hoje. “Há três anos invadimos outro terreno, mas de madrugada a polícia nos expulsou com balas de borracha, agora mais uma vez eles prometeram nos retirar agente, só a base da patrola”, teme Crisitiane.


O Midiamax entrou em contato com a Agehab, mas os servidores informaram que no momento ninguém comentaria o caso.

Jornal Midiamax