Geral

Família reclama de falta de encaminhamento para paciente realizar cirurgia em Campo Grande

Uma família de Campo Grande reclama da falta de encaminhamento para realização de uma cirurgia de vesícula para uma mulher de 34 anos. Segundo a autônoma Isailda Pereira Simões, 40 anos, a irmã dela, Isolina Pereira Simão tem um problema de vesícula inchada e a família tenta desde a quinta-feira (31), um encaminhamento para que […]

Arquivo Publicado em 04/11/2013, às 21h42

None

Uma família de Campo Grande reclama da falta de encaminhamento para realização de uma cirurgia de vesícula para uma mulher de 34 anos. Segundo a autônoma Isailda Pereira Simões, 40 anos, a irmã dela, Isolina Pereira Simão tem um problema de vesícula inchada e a família tenta desde a quinta-feira (31), um encaminhamento para que ela possa realizar uma cirurgia.


Isailda relata que a irmã foi levada na semana passada para a UPA(Unidade de Pronto Atendimento) do bairro Coronel Antonino. De lá, foi encaminhada para na Santa Casa, onde ficou tomando soro, mas não teria permanecido internada por falta de vagas. Conforme a irmã, ela teve alta médica, mas passou mal nesta segunda-feira (4).


A família voltou a levá-la para a UPA e foi informada que Isolina deveria ser levada novamente para a Santa Casa. O vai e vem e a falta de encaminhamento revoltaram Isailda. Ela diz que preferia que Isolina fosse encaminhada para o Hospital Regional Rosa Pedrossian, onde o atendimento seria melhor.


“Ela passou muito mal esses dias, precisa fazer uma cirurgia e eles não querem dar um encaminhamento para o Hospital Regional”, afirma. “O atendimento na Santa Casa não é aquilo que a gente espera. Os pacientes esperam nos corredores. No Hospital Regional o atendimento é melhor”, pontua a irmã. Isolina voltou a dar entrada na Santa Casa na tarde desta segunda-feira (3) e passa por avaliação médica.


A assessoria de imprensa da Santa Casa confirmou que Isolina deu entrada no hospital às 22 horas da quinta-feira (31) e foi liberada às 7 horas da sexta-feira (1º), após passar por avaliação. Conforme a assessoria, a família foi informada dos procedimentos que deveria ser tomados com relação à procura de um especialista para tratar o caso. Procurada para esclarecer sobre como é feita o encaminhamento dos pacientes das unidades de saúde para os hospitais de Campo Grande, a assessoria de Comunicação da Prefeitura de Campo Grande não respondeu os questionamentos até o fechamento da reportagem.

Jornal Midiamax